Abbas adia decisão sobre negociações de paz com Israel

Abbas diz que somente definirá sua posição após um encontro com outros líderes árabes, a ser realizado na próxima semana. Foto: Reuters
Image caption Congelamento para novas construções na Cisjordânia terminou no domingo

O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, afirmou nesta segunda-feira que não tomará uma decisão imediata sobre um possível abandono das negociações de paz com Israel, após o fim do congelamento da construção de assentamentos judeus na Cisjordânia.

Abbas diz que somente definirá sua posição após um encontro com outros líderes árabes, a ser realizado na próxima semana.

O prazo dado por Israel expirou à meia-noite deste domingo (horário local). Antes disto, em Paris, o presidente da Autoridade Palestina havia dito que as negociações de paz seriam "inúteis", a menos que a suspensão das construções fosse estendido.

"Existe apenas uma escolha: os assentamentos ou a paz. Israel tem que escolher a paz, se Israel escolher a paz, vamos continuar nas negociações, mas se ele não escolher (a paz), então isto será uma perda de tempo, ou oportunidades perdidas", afirmou.

Assim que o prazo expirou, o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, pediu que Abbas continue participando das negociações de paz.

"Peço ao presidente Abbas que continue com as boas e honestas negociações de paz que iniciamos, em uma tentativa de chegar a um acordo de paz histórico entre nossos dois povos", afirmou Netanyahu, por meio de uma declaração, na madrugada de segunda-feira.

Colonos comemoram

Com o fim do prazo, alguns colonos judeus começaram a comemorar. No assentamento de Revava, eles soltaram balões e iniciaram a construção de uma nova escola.

Estima-se que cerca de 2 mil unidades de moradia na Cisjordânia já tenham recebido aprovação para construção. Líderes de assentamentos afirmam que planejam retomar o trabalho o mais rápido possível.

Neste domingo, Netanyahu pediu "moderação" aos líderes dos assentamentos judeus na Cisjordânia. No mesmo dia, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, falou com o primeiro-ministro duas vezes por telefone para tentar salvar as negociações de paz.

Na quinta-feira, o presidente americano, Barack Obama, disse que a moratória à construção de assentamentos "melhorou o clima das negociações de paz" e pediu a Israel que estendesse a suspensão.

Retomada das negociações

As negociações diretas entre israelenses e palestinos foram retomadas em Washington no inicio deste mês, quase dois anos após terem sido suspensas em consequência da ofensiva de Israel à Faixa de Gaza, ocorrida em dezembro de 2008 e janeiro de 2009.

O Quarteto – grupo formado por Estados Unidos, ONU, Rússia e União Europeia –, que tem um papel fundamental na intermediação do processo de paz no Oriente Médio, fez um apelo a Israel para que estenda o prazo do congelamento.

Na Cisjordânia – região reivindicada pelos palestinos para fazer parte de seu futuro Estado – existem mais de 150 assentamentos nos quais moram cerca de 300 mil colonos israelenses.

Outros 200 mil israelenses moram na parte oriental de Jerusalém, na qual os palestinos pretendem fundar sua capital, e onde o governo israelense não decretou o congelamento das construções.

Notícias relacionadas