Escolas em extremos opostos apontam desafios da educação no Brasil

Estudante da Escola Madre Paulina quer trabalhar com o pré-sal. Foto: Emma Lynch/BBC
Image caption Sonho do estudante paulista Eric é se tornar um engenheiro

O Colégio Estadual Madre Paulina, no Itaim Paulista, no extremo leste de São Paulo, fica a cerca de 40 quilômetros do Colégio Vértice, no bairro de classe média do Campo Belo. Mas, em termos de qualidade da educação que os alunos recebem, estas duas escolas estão em dois planetas diferentes.

Raquel, 16 anos de idade, cursa o último ano do ensino médio no Colégio Vértice, o primeiro colocado nacional no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) com uma pontuação média de 749,7. Famílias de classe média, como a de Raquel, precisam fazer um esforço para pagar as mensalidades de R$ 2,7 mil.

Apesar do valor alto, mais de cinco vezes o do salário mínimo, há uma longa lista de espera de pais dispostos a pagar pela melhor educação possível para os filhos.

"Os alunos aqui querem mesmo aprender. Temos o objetivo de entrar nas melhores universidades e isso nos motiva a estudar", diz Raquel. "Eu sei muito bem das oportunidades que tenho e que grande parte da população do Brasil e do mundo não tem."

'Ambiente agradável'

O conjunto de sobrados que forma a escola não tem luxos, mas é um ambiente agradável e com ar de casa do interior, cheio de flores coloridas e pequenas árvores.

"Todas as salas de aula levam a pequenos jardins. Faz diferença estudar num ambiente agradável", diz Walkiria Ribeiro, que fundou a escola em 1976 e hoje é sua diretora geral.

“Acho que o que fizemos de mais importante aqui foi pensar num método de ensino que funcionasse bem no Brasil e para nossos alunos, em vez de ficar adotando fórmulas e modelos prontos que existem por aí”, diz a educadora.

Na Escola Estadual Madre Paulina, Eric - também 16 anos de idade e no último ano do ensino médio – vive numa realidade bem diferente.

Antes de sair pra escola, ele toma café da manhã sozinho, porque a mãe tem que sair às 5h de casa para chegar a tempo na fábrica em que trabalha.

Eric vive num conjunto habitacional ao lado de uma favela e, nos dez minutos de caminhada pelas ruas do bairro até a escola, vê com frequência traficantes em plena atividade, tendo como clientes seus colegas de colégio.

"Às vezes, vejo no caminho amigos que não querem vir para a aula, e eu tento convencê-los a vir comigo pra escola. Mas tem muitos que dizem que não adianta porque nós não aprendemos nada ", conta Eric.

'Destruição'

A escola Madre Paulina fica num prédio grande e um tanto quanto sombrio, coberto de pichações e com lixo espalhado pela grama. Dentro, há mais pichações e muitas portas, janelas e móveis quebrados.

Eric admite que os alunos têm a sua parcela de culpa na destruição, mas vê motivos para esse comportamento. "Muitos fazem isso porque não estão motivados, então eles vêm para a escola e fazem pichação e quebram tudo. É até uma maneira de eles se expressarem,” diz o estudante.

Os alunos do Colégio Madre Paulina tiveram nota média de 465,75 no Enem, o que colocou a escola entre as 20 piores de São Paulo. Os alunos com notas mais baixas no Brasil (249,25) foram os da Escola Indígena Dom Pedro 1º, na pequena cidade de Santo Antonio do Iça, no Amazonas.

"Ninguém aqui está motivado, nem mesmo os professores. Como é que pode isso? Esses professores são as pessoas que têm de preparar os médicos e engenheiros do futuro", diz Eric.

Durante os governos dos presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil conseguiu colocar virtualmente todos os seus jovens na educação básica, mas melhorar a qualidade do ensino será o grande desafio para o próximo governo ou, mais provavelmente, para os próximos governos.

"Melhorar a educação é maior desafio que temos para continuar crescendo. Educação demanda tempo, competência e muito cuidado e atenção às crianças e adolescentes, e o sistema educacional no Brasil é carente de todas essas virtudes", diz o professor de relações industriais da Universidade de São Paulo, José Pastore.

"A evolução ao longo dos últimos anos é real e rápida, mas as conquistas ainda são muita pequenas. Apenas cerca de um terço da população no Brasil tem o ensino secundário, enquanto, nos países ricos, este valor atinge 75% a 80%. "

Pastore observa que os trabalhadores brasileiros têm uma média de 7 anos de estudo contra 11 anos na Coreia do Sul, 12 anos nos Estados Unidos e até 13 anos em partes da Europa. "E eles vão para as boas escolas, enquanto os brasileiros vão a escolas ruins."

Corrida desigual

Tanto Raquel como Eric são estudantes esforçados, com boas notas e grandes planos para seus futuros e o do país, mas eles sabem que estão entrando na corrida em condições bastante diferentes.

No Colégio Vértice, há um professor para cada dez alunos e 30% dos educadores têm mestrado. Os salários são em torno de R$ 7 mil por mês.

Raquel passa a maior parte do dia na escola com aulas regulares até a hora do almoço e aulas de reforço a tarde. "Eu costumava fazer muito esporte, como aulas de natação e judô, mas agora a vida é só estudar para me preparar para o vestibular."

Raquel ainda não decidiu se quer estudar Biologia ou Relações Internacionais. "O que é importante para mim é encontrar alguma coisa na minha profissão que me permita ajudar outras pessoas", diz ela.

Eric não tem dúvidas sobre o que ele quer fazer do seu futuro: "Quero ser engenheiro para explorar a imensa riqueza do pré-sal."

Mas isso não é tarefa fácil para os alunos de uma escola como a Madre Paulina, onde os professores têm uma média de 50 alunos e um salário de R$ 900. "Como posso me tornar um engenheiro com o tipo de educação que recebo?"

Mas Eric não desiste. Ao contrário: ele entrou na União Municipal de Estudantes Secundaristas (Umes) e se tornou vice-presidente para Zona Leste de São Paulo na entidade estudantil. "Meu sonho é que outros também possam realizar seus sonhos", diz ele.

Mudanças

O Ministério da Educação admite que o país ainda está muito longe de onde deveria estar, mas diz que mudanças importantes aconteceram durante o período Lula.

"O ensino público tem avançado muito no governo Lula, porque passamos a investir, adotamos uma abordagem sistêmica da educação primária até a universidade e começamos a preparar melhor nossos professores", diz a secretária de Educação do MEC, Márcia Pilar.

Pilar explica que, em 2005, um estudo feito pelo Ministério da Educação avaliou escolas públicas brasileiras com uma nota média de 3,8, numa escala de zero a dez.

"Nosso plano é chegar a 2022, o bicentenário da independência do Brasil, com nota 6, o que seria já perto da qualidade de alguns países da OCDE", diz Pilar.

"Nenhum país jamais conseguiu reformar o seu sistema de ensino em menos de uma geração, mas temos tomado medidas que já têm um impacto importante, como o aumento do número de estudantes nas universidades."

Mas as empresas brasileiras – com a oportunidade de crescimento que o Brasil tem agora – podem não conseguir esperar por uma geração. Para atender às necessidades urgentes da indústria, governo e setor privado têm investido fortemente nas escolas técnicas.

Torneiro mecânico

Nas escolas do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), quase 90% dos jovens se formam com empregos já garantidos. É ótimo para eles, mas mostra a carência do Brasil de trabalhadores qualificados.

"Há uma grande demanda por trabalhadores qualificados, sobretudo em mais áreas de alta tecnologia, como informática e mecatrônica", diz o diretor do sistema Senai no Estado de São Paulo, Walter Vincioni.

"Mas um problema sério é que as tecnologias com que trabalhamos são muito sofisticadas e aprender a usá-las requer uma boa formação básica que muitos dos alunos que recebemos aqui não têm, infelizmente. "

No primeiro andar do Senai Roberto Simonsen, no bairro Paulistano do Brás, está um antigo torno cuidadosamente restaurado, que o adolescente Luiz Inácio da Silva usou no início das anos 60 para aprender o ofício de torneiro mecânico.

Embora tenha apenas completado a educação fundamental no ensino regular, o curso profissionalizante lhe abriu caminho para se tornar uma metalúrgico, um líder estudantil e, finalmente, o presidente Lula. Entretanto, a história é a exceção que confirma a regra: não é fácil de quebrar as barreiras das diferenças sociais sem acesso à educação.

"Está provado que, no Brasil, a educação é o caminho mais rápido para a mobilidade social. Temos tal força de trabalho pouco qualificada que qualquer conhecimento adicional, mesmo que pequeno, é suficiente para melhorar bastante de vida", diz o professor Pastore.

Propostas

O professor disse que não ouviu, dos candidatos à Presidência, "nada realmente interessante ou concreto sobre a educação."

Em sua opinião, a própria sociedade também precisa ser mais ativa.

"O grande problema é que, em um país onde a educação nunca foi prioridade, muitos pais estão felizes simplesmente porque agora seus filhos vão à escola e, portanto, não exigem mais", diz ele.

"Precisamos encontrar maneiras de unir a sociedade para lutar por mais qualidade na educação. As pessoas no Brasil têm de perceber como isso é importante."

Notícias relacionadas