Bispo brasileiro receberá 'Nobel alternativo' por trabalho com índios

Bispo Erwin Kräutler
Image caption Kräutler trabalhou ao lado da missionária Dorothy Stang no Xingu

A fundação Right Livelihood Award, que concede anualmente o prêmio conhecido como “Nobel Alternativo”, anunciou nesta quinta-feira em Estocolmo que o bispo brasileiro Erwin Kräutler será um dos quatro premiados deste ano.

Nascido na Áustria e naturalizado brasileiro, Erwin Kräutler é bispo da diocese do Xingu, no Pará.

Segundo comunicado oficial da fundação, ele recebera o prêmio Right Livelihood por “uma vida de trabalho dedicada aos direitos humanos e ambientais dos povos indígenas” e também por “seus esforços incansáveis para salvar a floresta amazônica da destruição”.

Kräutler trabalhou no Xingu ao lado da missionária americana Dorothy Stang, que foi assassinada em fevereiro de 2005, em um crime que teve grande repercussão no Brasil e no exterior.

O bispo dividirá o prêmio de 200 mil euros (cerca de R$ 460 mil) com Nnimmo Bassey, que denunciou os impactos ambientais e humanos da produção de petróleo na Nigéria; com o nepalês Shrikrishna Upadhyay, que criou uma organização para a apoiar produtores rurais pobres do Nepal, e com a organização Médicos pelos Direitos Humanos, de Israel, que oferece tratamento médico a israelenses e palestinos em zonas de conflito.

A fundação Right Livelihood Award foi criada pelo sueco-alemão Jakob von Uexkull para premiar pessoas que oferecem soluções práticas para os desafios mais urgentes do mundo atual.

Desde 1980, o prêmio já foi entregue a 141 pessoas em 59 países. Este ano, a premiação acontecerá no dia 6 de dezembro, no parlamento sueco.