Em dia de celebração da independência, atentado na Nigéria deixa oito mortos

Ataque em Abuja, Nigéria
Image caption As explosões ocorreram perto do local onde se celebrava a independência

Um atentado com carros-bomba matou ao menos oito pessoas na capital da Nigéria, Abuja, nesta sexta-feira, dia em que o país comemora 50 anos de independência da Grã-Bretanha.

Horas antes dos ataques, uma milícia rebelde havia divulgado uma mensagem dizendo que atacaria a cidade, alegando que o país não deveria estar comemorando.

Conhecido como Mend (Movimento pela Emancipação do Delta do Níger), o grupo costuma atacar oleodutos no sul da Nigéria - região rica em petróleo que torna o país um dos maiores produtores do mundo.

Na mensagem, a milícia exigia uma distribuição mais justa dos lucros do petróleo e afirmava que não havia “nada para celebrar após 50 anos de fracasso”.

Celebrações

As explosões ocorreram diante do Ministério da Justiça, próximo ao local onde a elite nigeriana participava das celebrações oficiais, que não foram suspensas.

“Ouvimos uma explosão estrondosa não muito longe de onde estávamos”, disse uma testemunha ao programa da BBC Focus on Africa. “Nos disseram que era uma bomba e que todos deveriam correr. Mas antes de qualquer coisa, houve a segunda explosão.”

O presidente Goodluck Jonathan descreveu os atentados como “um ato desesperado de criminosos e assassinos”.

No ano passado, o governo nigeriano assinou um acordo com os rebeldes do Delta do Níger, oferecendo dinheiro e cursos profissionalizantes para os que abandonassem as armas.

Desde então, a violência estava diminuindo. No entanto, muitos rebeldes reclamavam que o governo não estava cumprindo sua parte no pacto.

A produção de petróleo também vinha crescendo desde a anistia: de 1,6 milhões de barris por dia para 2 milhões. Apesar disso, a maioria da população vive na miséria.

Notícias relacionadas