Colonos israelenses ateiam fogo em mesquita na Cisjordânia

Colonos israelenses
Image caption Hostilidades opõem colonos israelenses e palestinos

Uma mesquita em uma aldeia palestina na Cisjordânia foi incendiada na madrugada desta segunda-feira por colonos israelenses que também picharam as paredes do local com dizeres em hebraico.

De acordo com palestinos da aldeia de Beit Fajar, perto da cidade de Hebron, os colonos israelenses entraram na mesquita por volta das 03h00 da madrugada e atearam fogo a exemplares do Alcorão.

Eles deixaram as paredes pichadas com dizeres ofensivos à religião islâmica e ameaças de vingança contra os palestinos.

Há um mês quatro colonos israelenses foram mortos por atiradores palestinos no distrito de Hebron.

Investigação

As forças de segurança de Israel e da Autoridade Palestina iniciaram uma investigação conjunta para capturar os responsáveis.

O porta-voz do Exército israelense declarou que o incêndio na mesquita de Beit Fajar é um "ato grave" e que as forças de segurança estão tomando medidas para encontrar os autores do ataque.

O incêndio ocorre em um momento especialmente sensível nas relações entre israelenses e palestinos, depois que o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, anunciou a suspensão das negociações com Israel, retomadas há um mês.

Abbas declarou que não voltará à mesa de negociações enquanto Israel continuar a construção de assentamentos nos territórios ocupados.

Vingança

O incêndio na mesquita de Beit Fajar não é o primeiro ato de vingança cometido por colonos israelenses contra palestinos, que também atearam fogo em veículos e plantações de palestinos na Cisjordânia.

Em dezembro do ano passado, a mesquita da aldeia de Kfar Yassuf, no norte da Cisjordânia, também foi incendiada.

A mesquita da aldeia de Hawara também sofreu um ataque semelhante.

Allah Tamimi, da prefeitura da cidade palestina de Hebron, afirmou que "Israel é responsável pela escalada dos ataques dos colonos contra os palestinos na Cisjordânia".

Um dos lideres dos colonos israelenses que moram em um assentamento dentro de Hebron, Baruch Marzel, justificou o ataque à mesquita dizendo que se trata de uma represália a ataques de palestinos contra colonos.

"Enquanto o governo de Israel demonstrar negligência em relação à segurança dos colonos, não ficarei surpreso se judeus reagirem contra a negligência. Sangue judeu não pode ser desprezado", disse Marzel ao site de noticias Ynet.

Notícias relacionadas