Dólar fecha em queda mesmo com 'pedágio' sobre capital estrangeiro

A decisão do governo de aumentar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 2% para 4% parece não ter afugentado o investidor estrangeiro nessa terça-feira.

A moeda americana voltou a cair e fechou o dia valendo R$ 1,675 – a menor cotação dos últimos dois anos.

O aumento do IOF sobre investimentos em renda fixa (títulos do governo), anunciado na noite desta segunda-feira, tem como objetivo diminuir o fluxo de dólares para o Brasil, movimento que joga a cotação da moeda americana para baixo.

Mais cedo, quando o dólar já mostrava tendência de queda, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu a cobrança do “pedágio” ao capital estrangeiro, mas disse ainda que seria “natural” que os efeitos não fossem vistos logo.

"Se não se tivesse tomado esta medida, com o fluxo grande que estava ocorrendo, poderia haver uma desvalorização do dólar maior do que de fato ocorreu", disse.

Os operadores de mercado classificaram a medida como “necessária”, mas ao mesmo tempo “paliativa”.

O argumento é de que o dólar continuará entrando no país por outras razões, seja para aproveitar oportunidades na Bolsa de Valores ou em investimentos de longo prazo.