Barcelona limita número de 'estátuas humanas' em área turística

Cidade espanhola fará convocação anual para escolher os artistas.
Image caption Governo quer evitar 'ocupação desmedida' das ruas de Barcelona

A prefeitura de Barcelona decidiu limitar o número de "estátuas humanas" que se apresentam no distrito turístico de Ciutat Vella - onde fica a conhecida rua La Rambla -, realizando um processo de seleção dos artistas no local.

"Somente poderão atuar 15 estátuas humanas pela manhã e 15 pela tarde a partir de 2011, para evitar a ocupação desmedida que existe atualmente. Normalmente se concentram uma média de 25 estátuas", disse a conselheira municipal Assumpta Escarp.

Nos últimos anos, as estátuas humanas se multiplicaram nos centros das principais cidades espanholas, como Madri e Barcelona, onde se encontram tipos como "homens sem cabeça", gárgulas, fadas, "pessoas de barro" e imitadores de Charles Chaplin.

O distrito de Ciutat Vella realizará uma convocação anual para escolher os artistas segundo sua formação e sua experiência, com o objetivo de melhorar a qualidade das atuações. Os eleitos serão definidos por meio de sorteio e receberão um cartão de identificação.

'Intromissão'

Image caption Candidatos a estátua humana' terão que passar por seleção

"Temos muita intromissão. Ser uma estátua humana não é somente comprar uma fantasia e ficar quieto como muita gente acredita. É uma corrente artística que se chama 'arte viva' e cujos mestres foram Marcel Marceau e Étienne Decroux", disse à BBC a presidente da Associação Espanhola e Comunitária de Estátuas Vivas e Teatro, Paula Noviel.

"A pessoa tem que saber respirar, ter um bom preparo físico. Ficando parada duas horas, uma estátua gasta a mesma energia que um ciclista após andar seis quilômetros", afirma Paula.

As estátuas vivas de "formação" também devem confeccionar seus próprios trajes, que podem variar entre US$ 230 (cerca de R$ 380) e US$ 1,2 mil (aproximadamente R$ 2 mil).

"Queremos que exista uma formação de dois ou três anos com uma titulação. Defendemos o teatro gratuito, de rua, mas nem tudo deve ser válido, deve-se promover a qualidade", diz a presidente da associação.

'A rua é de todos'

Image caption Para atriz Tania Met, que é 'estátua humana' há dez nos, diz que 'a rua é para todos'

A atriz argentina Tania Met acha o contrário. Ela diz que trabalha há dez anos como estátua humana em diferentes cidades da Europa, sempre compartilhando o espaço público com profissionais e amadores.

"Tem gente que viu nisto uma saída do desemprego. Não são atores nem artistas, e eles às vezes brigam por espaço na rua. Nós, que temos alguma formação, estamos indo mais a festivais ou a apresentações para evitar este tipo de situação", disse Met à BBC.

"À margem do que é artístico ou não, porque há amadores com números muito bons, a rua é de todos, inclusive para um espetáculo medíocre", afirma a argentina. "As pessoas decidirão se dão uma moeda ou não."

Uma regulamentação semelhante a Barcelona vigora em Londres e em cidades na Holanda e na França, onde as estátuas humanas são permitidas somente no verão ou durante festividades. Atualmente, a legislação de Madri permite as atividades artísticas em vias públicas.

Além de determinar a seleção de artistas, a prefeitura de Barcelona também proibiu que as estátuas humanas usem animais, armas, máscaras, música e itens de mobiliário público, como bancos, pontos de ônibus e postes de iluminação.

Notícias relacionadas