Eleições 2010

Em plenária, PV anuncia 'independência' no 2º turno

Senadora criticou "dualidade destrutiva" entre PT e PSDB. Foto: AFP

Marina Silva fez elogios a Dilma e Serra, mas se negou a abrir seu voto

O Partido Verde (PV) decidiu neste domingo, durante plenária realizada em São Paulo, manter uma postura de independência no segundo turno da eleição presidencial.

No evento, a senadora e ex-candidata do PV à Presidência, Marina Silva, leu uma carta aberta endereçada a Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), na qual faz elogios a ambos e se coloca como “mediadora” entre a sociedade e os partidos que disputarão a Presidência.

"Estou me dirigindo a duas pessoas dignas (...), desde a luta contra a ditadura até a efetividade dos governos de que participaram", afirmou a senadora, que terminou o primeiro turno em terceiro lugar, com quase 20 milhões de votos.

“Somos um veículo de comunicação de ambos com os eleitores. Mantemo-nos na condição de mediadores para contribuir para que este processo alcance melhores resultados”, disse Marina.

Em sua carta, a senadora também critica o que define como “dualidade destrutiva” entre PT e PSDB. “Essas duas forças que nasceram inovadoras são hoje os fiadores desse conservadorismo renitente. É a armadilha em que ambos caem e para a qual levam o país.”

A questão da religiosidade, que está no centro dos debates do segundo turno, também marca presença na carta aberta de Marina. Ela disse que as pessoas não podem ter seu voto diminuído devido à religião, e que a sua candidatura representava a diversidade.

"Procurei respeitar a fé que professo sem fazer dela uma arma eleitoral", diz a senadora, que congrega na Igreja Assembleia de Deus.

Tanto Marina quanto os dirigentes do PV evitaram o uso da palavra "neutralidade" para definir a posição adotada do partido. O objetivo era evitar a ideia de omissão no processo eleitoral.

"O fato de não ter optado por um alinhamento neste momento não significa neutralidade. Creio que uma posição de independência, reafirmando ideais e propostas, é a melhor maneira de contribuir", disse Marina em sua carta.

"Voto secreto"

Em entrevista coletiva, Marina se negou a revelar em quem votará. “O voto é secreto, e para manter a minha independência no processo político, vou reservar esse direito de eleitora”, afirmou Marina.

Marina também se recusou a dizer se será candidata a presidente em 2014 e descartou ter “ansiedade” para concorrer a outros cargos.

“A política não deve ser feita sempre de caso pensado”, afirmou a senadora, que descartou assumir um ministério no futuro governo.

Marina Silva disse ainda que não considera a sua saída do Senado, depois de 16 anos, uma "perda". A ex-candidata disse ser uma "militante do partido e uma militante da sociedade", que acredita na relação com os "núcleos vivos da sociedade".

Sobre a apresentação de propostas de governo feita pelo PV às candidaturas de Dilma e Serra, Marina disse acreditar que as proposições de seu partido tiveram um acolhimento maior por parte do PT do que do PSDB.

Durante a plenária, o vice-presidente do PV, Alfredo Sirkis, chegou a dizer que a resposta às propostas dada pelos tucanos e assinada pelo presidente do partido, Sérgio Guerra, era "superficial" e parecia ter sido "escrita à pressas".

Já o texto do PT, assinado por Dilma, se manteve, na opinião de Sirkis, em um "nível programático", sem fugir às questões.

Postura dos filiados

Com sua postura de “independência” no segundo turno, o PV liberou seus filiados para declarar voto em Dilma ou Serra apenas como “eleitores”, sem se identificar como membros do partido.

Os donos de cargos institucionais no PV, como o presidente da sigla, José Luiz Penna, o vice-presidente, Alfredo Sirkis, e os presidentes dos diretórios de São Paulo e Rio decidiram seguir o caminho de Marina Silva em não declarar apoio público a nenhum candidato.

Dos 92 convencionais com direito a voto na plenária do PV, apenas quatro se manifestaram contrários à independência no segundo turno.

Entre os presentes na plenária, estavam o vice na chapa de Marina Silva, Guilherme Leal, os ex-candidatos do PV a governador Fabio Feldmann (São Paulo) e Fernando Gabeira (Rio de Janeiro), o ex-candidato do partido ao Senado por São Paulo, Ricardo Young, e o deputado federal e ex-ministro do Meio Ambiente Zequinha Sarney (PV-MA).

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.