Atirador estaria por trás de onda de crimes raciais na Suécia

Polícia investiga local onde duas mulheres foram feridas em Malmo (Reuters)
Image caption Polícia acredita que pelo menos 15 crimes estão ligados

A polícia da Suécia acredita que um único atirador seja o responsável por uma série de ataques, aparentemente com motivação racial, que ocorreram na cidade de Malmo, no sul do país.

Segundo investigadores, pelo menos 15 incidentes ocorridos na cidade no último ano, todos ligados a imigrantes e um deles fatal, teriam sido realizados pelo mesmo criminoso, que está sendo procurado.

A polícia não revelou exatamente quais ou quantos casos a unidade especial designada para esta investigação está analisando. Mas, de acordo com a imprensa sueca, entre eles está o da mulher de 20 anos que morreu depois de ser atacada dentro de um carro em outubro passado.

Os detetives estão recebendo ajudas de especialistas para tentar traçar o perfil do suposto atirador.

Tensão

Nas últimas semanas, dois homens ligados a minorias étnicas também foram baleados enquanto esperavam em um ponto de ônibus na cidade.

Na quinta-feira, duas mulheres descritas pela polícia como "imigrantes de um país europeu" foram feridas depois de serem atingidas por um tiro que entrou pela janela do apartamento onde elas estavam.

Boa parte da população de Malmo é formada por imigrantes, e a cidade já foi palco de confrontos em 2009 depois do fechamento de um centro islâmico.

A investigação da unidade especial da polícia ocorre em meio à crescente tensão no país devido à questão da imigração. Nas eleições de setembro, membros de um partido de extrema direita, contrário à imigração, conseguiram cadeiras no Parlamento do país.

A investigação em Malmo também trouxe memórias de uma outra série de ataques com motivos raciais ocorridos na região da capital, Estocolmo, entre agosto de 1991 e janeiro de 1992.

John Ausonius, agora com 57 anos, matou uma pessoa e feriu outras dez. O atirador foi condenado à prisão perpétua em 1994.

Notícias relacionadas