Meio Ambiente

Fotógrafo americano captura espetáculo de cavernas geladas

galeria de fotos: O espetáculo das geleiras

  • Fotos Eric Guth / Cater News
    O americano Eric Guth, 30, rodou o mundo para fotografar o interior de geleiras - como esta, nos Alpes.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Guth, de Portland, no Oregon, diz que sempre foi fascinado desde criança por essas formações.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Um de seus passatempos é acampar durante dias dentro das cavernas, onde a temperatura pode chegar a -20ºC.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Para o fotógrafo, o esforço compensa por imagens como esta, tirada em uma geleira nos Alpes.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Esta caverna no Alasca é a preferida do fotógrafo: 'O gelo parece rachado, mas é perfeitamente suave ao toque'.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Aqui, o americano aparece no Parque Nacional de los Glaciares, na Patagônia argentina.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Formado em Estudos Ambientais pela Universidade do Oregon, Guth trabalhou com desenvolvimento sustentável na Costa Rica, México e Alemanha.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    As imagens do naturalista já lhe renderam prêmios tanto pela beleza quanto pelo registro dessas paisagens. Aqui, Guth trabalha na Islândia.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    Nesta foto, Guth quebra o gelo para abrir passagem em uma caverna na Patagônia.
  • Fotos Eric Guth / Cater News
    'Mesmo já tendo visto dezenas de glaciais, ainda fico sem palavras diante deles', afirma o naturalista.

O americano Eric Guth, 30, rodou o mundo nos últimos cinco anos para fotografar o interior de cavernas geladas em lugares tão diversos quanto o Alasca, a Patagônia argentina, a Islândia e a Suíça.

Para produzir as imagens, Guth normalmente acampa durante dias dentro das geleiras, onde a temperatura pode baixar a até 20º C negativos.

Mas o americano diz que sempre foi fascinado desde criança por essas formações, e não se importa em desafiar o frio e os riscos de pneumonia e desabamento dentro das cavernas.

Guth, que nasceu em Portland, no Oregon, diz que sua caverna preferida está no Alasca.

"As paredes são iluminadas pela luz solar indireta refletidas perto da entrada. O gelo parece rachado, mas é perfeitamente suave ao toque e deve chegar a trinta metros de espessura em algumas áreas."

Formado em Estudos Ambientais pela Universidade do Oregon, Guth trabalhou com desenvolvimento sustentável na Costa Rica, México e Alemanha.

As imagens do naturalista já lhe renderam prêmios tanto pela beleza quanto pelo registro dessas paisagens.

"Defini como minha missão encontrar os glaciais mais espetaculares no mundo, e mesmo já tendo visto dezenas, ainda fico sem palavras diante deles", afirma.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.