Estados Unidos

Obama atribui derrota em eleições a ‘frustração’ nos EUA

Barack Obama/AP

Obama diz querer ouvir os republicanos sobre a saúde

Um dia depois da derrota histórica de seu partido na Câmara dos Representantes (deputados federais), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quarta-feira que o resultado das eleições legislativas mostra a frustração dos americanos com a economia e que ele, como líder, assume a responsabilidade por esse sentimento.

"A votação de ontem (terça-feira) confirmou o que eu ouvi de pessoas ao redor da América", disse Obama, em entrevista coletiva na Casa Branca nesta quarta-feira.

"As pessoas estão profundamente frustradas com o ritmo da nossa recuperação econômica", afirmou. "Elas querem que os empregos venham mais rápido."

Dois anos após chegar à Casa Branca com altos índices de popularidade e como símbolo de esperança e de promessa de mudança, Obama admitiu que muitos americanos ainda não sentiram essa mudança.

"Nos últimos dois anos, nós fizemos progresso. Mas claramente muitos americanos não sentiram esse progresso ainda, e eles nos disseram isso ontem. Eu, como presidente, assumo a responsabilidade por isso", disse.

Obama também repetiu a afirmação feita na noite anterior de que pretende sentar com membros de seu partido democrata e da oposição republicana para discutir a melhor forma de trabalhar em conjunto e pediu um debate civil "honesto" sobre a melhor maneira de avançar.

Resultados

Na eleição de terça-feira estavam em jogo todas as 435 cadeiras da Câmara dos Representantes e 37 das cem vagas no Senado. Os americanos também elegeram governadores em 37 dos 50 Estados.

O Partido Democrata perdeu 60 cadeiras da Câmara dos Representantes para o Partido Republicano.

Clique Clique aqui para ver como ficou a composição do congresso após as eleições

A apuração dos votos ainda está em andamento em algumas partes do país. Com resultados definidos para 424 das 435 cadeiras da Câmara, os republicanos já garantiram 239 vagas, conquistando assim o controle da Casa.

Essa virada no comando da Câmara é considerada a maior desde 1948, quando os democratas ganharam 75 assentos da oposição.

Na disputa pelo Senado, o Partido Democrata também perdeu pelo menos seis cadeiras antes em seu poder para os republicanos, mas ainda assim conseguiu manter uma estreita maioria.

Reforma da saúde

Com a perda da maioria na Câmara pelos democratas, o Congresso fica dividido, e Obama deverá enfrentar dificuldades para aprovar propostas nos dois anos finais de seu mandato.

Pouco antes do pronunciamento de Obama, o líder republicano na Câmara dos Representantes, John Boehner, que deverá assumir a presidência da Casa, disse que um dos objetivos de seu partido será reverter a reforma do sistema de saúde.

Essa reforma, aprovada em março deste ano, é considerada o projeto mais importante do governo Obama até agora, mas enfrenta rejeição dos republicanos.

"Eu acredito que a reforma da saúde vai acabar com empregos, arruinar o melhor sistema de saúde do mundo e levar nosso país à falência", disse Boehner.

Obama afirmou que pretende ouvir sugestões sobre a lei.

"Se os republicanos tiverem ideias sobre como melhorar nosso sistema de saúde, se quiserem sugerir mudanças que signifiquem uma reforma mais rápida e eficaz para um sistema de saúde que tem sido extremamente caro, ficarei feliz em considerar algumas dessas ideias", disse.

Tea Party

A rejeição à reforma da saúde e a busca de redução dos gastos do governo são propostas defendidas por vários candidatos republicanos vitoriosos que tiveram o apoio do movimento conservador Tea Party.

No cenário de frustração do eleitorado americano com a economia e a alta taxa de desemprego – que há meses permanece em torno de 10% – estas eleições legislativas foram marcada pela ascensão do Tea Party.

O movimento – que não é um partido político – reúne centenas de grupos conservadores espalhados pelos Estados Unidos e prega a redução dos gastos do governo e da presença do Estado na economia, além de se opor a praticamente todas as políticas do governo Obama.

Em seu pronunciamento, Boehner disse que os eleitores americanos votaram por um governo menor e que a nova maioria republicana vai tentar "um novo caminho em Washington".

Clique Leia mais na BBC Brasil sobre as declarações de Boehner

Obama, porém, afirmou que nenhum partido tem "o monopólio da sabedoria".

"Com tanto em jogo, o que o povo americano não quer de nós, especialmente aqui em Washington, é que gastemos os próximos dois anos lutando de novo as batalhas dos últimos dois", disse.

  Democratas Republicanos Independentes
Senado 53 47 0
Câmara de Representantes 189 239 0

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.