Furacão Tomás provoca enchentes no Haiti

Vítima de enchente em Porto Príncipe
Image caption Enchentes podem agravar epidemia de cólera no Haiti

O furacão Tomás chegou nesta sexta-feira ao oeste do Haiti, provocando tempestades e enchentes que deixaram ao menos quatro mortos e dois desaparecidos.

Há registros de ventos de 140 km por hora e previsão de chuvas fortes. A situação pode agravar a epidemia de cólera vivida pelo país, que já deixou mais de 6,7 mil infectados e 442 mortos.

Como as encostas do país são instáveis – por causa da derrubada de árvores para produzir carvão –, há perigo também de deslizamentos, informa a correspondente da BBC em Porto Príncipe Laura Trevelyan.

O premiê haitiano, Jean-Max Bellerive, instou as pessoas a abandonar os acampamentos provisórios montados no pós-terremoto, que são mais vulneráveis às tempestades.

“Haverá chuva e ventos pelo país. Não sejam teimosos. Saiam se estiverem em abrigos frágeis”, disse ele em comunicado televisionado.

Desabrigados

Mulheres e bebês foram retirados de alguns acampamentos, mas centenas de milhares de pessoas vivendo em locais provisórios desde o terremoto de janeiro ignoraram os apelos oficiais, alegando que não têm para onde ir.

Até agora, o furacão Tomás não atingiu o Haiti com tanta força quanto fez em Santa Lucia, onde deixou 14 mortos. Mas Stefano Zannini, chefe da missão haitiana dos Médicos Sem Fronteiras, relatou à BBC que a situação é “precária” no país, que ainda não se recuperou dos efeitos dos tremores.

O centro americano de estudos de furacões prevê que as tempestades fortes afetem também as Bahamas, as ilhas Caicos e a província cubana de Guantánamo.

Notícias relacionadas