Livro reúne cartas de transplantados a doadores e suas famílias

Um livro reunindo cartas de pacientes transplantados para doadores e suas famílias está sendo lançado na Grã-Bretanha.

São 50 cartas dedicadas ao doador, que não está mais presente, e a todas as famílias que disseram "sim" à doação de órgãos.

Thank You For Life (em tradução livre, Obrigado Pela Vida) é uma iniciativa dos médicos Andrew Burroughs e Linda Selves e está sendo publicado pelo Royal College of Physicians, uma associação de médicos britânicos.

"Obrigado é uma expressão usada com frequência e, às vezes, de passagem. Este não é esse tipo de obrigado" - diz uma das cartas, escrita por um paciente para agradecer os parentes de um doador de quem ele recebeu um fígado.

"É um obrigado diferente, que desafia o (idioma) inglês, e, de fato, qualquer língua da Terra."

"Mas como dizer obrigado a alguém quando, por causa de você e da generosidade das pessoas que você ama, estou vivo hoje e continuo a viver?"

"Não se trata apenas de presentear (alguém) com um órgão, é o presente de uma vida. Não sei como alguém pode verdadeiramente expressar, com palavras, seus sentimentos a alguém que lhe deu a vida."

"Posso apenas tentar", diz o paciente.

'Obrigada'

Falando à BBC, Burroughs explicou as razões que motivaram o projeto.

"Eu queria promover a doação de órgãos e reconhecer a contribuição dos doadores para o salvamento de vidas."

"Achei que um livro com cartas de pacientes cheios de gratidão seria uma forma poderosa de agradecer publicamente e de lembrar os doadores e suas famílias", disse Burroughs.

Entre as cartas, está a da transplantada Diana Sanders, hoje com cerca de 40 anos, que recebeu pulmões e um coração há oito anos.

Sanders nasceu com uma doença cardíaca congênita para a qual não havia tratamento na época. Seu coração começou a falhar e ela foi colocada em uma lista de espera.

"Quando você morreu, em 2002, minha nova vida começou", diz a carta escrita por ela ao doador.

"Quero que você e sua família saibam que nunca vou deixar de pensar em você, e nunca vou deixar de sentir gratidão a você por ter me dado seu coração e pulmão."

"Quando acordei depois da operação, meu primeiro pensamento foi você. Quem era você? Como você morreu?"

"Me disseram apenas que você era uma mulher de 31 anos. Me pareceu uma idade tão terrível para morrer e, em alguns momentos, tão injusto que eu tivesse sobrevivido e você não."

"Espero que você nunca tenha sabido nada sobre a hemorragia cerebral que a matou. Espero que você tenha sido feliz e realizada e que sua curta vida tenha sido boa."

"Você tinha crianças, irmãos e irmãs, tias, tios? Do que você gostava? O que fazia você rir?"

"Só sei que em algum ponto da sua vida você tomou a decisão de ser uma doadora de órgãos. Talvez você não tenha pensado muito sobre isso, apenas achou que era alguma coisa boa."

"No início, meu novo coração e pulmão não pareciam meus. Eu lamentava a perda do meu próprio coração e pulmões, como se tivessem morrido, também."

"Alguém me disse que eles eram um presente de você para mim, e isso me ajudou a aceitá-los. Quase não penso sobre isso agora, meu corpo parece normal e me acostumei a estar bem e viva."

"Minha nova vida é incrível. Não corri uma maratona ou velejei em torno do mundo, mas ser capaz de fazer longas caminhadas, para mim, é algo extraordinário."

"Poder fazer coisas comuns, do dia a dia, é um milagre - contar uma piada ao meu marido, ir ao cinema, tomar conta da minha mãe à medida que ela envelhece. Tomar conta de outras pessoas, para variar."

"Vida, simplesmente. Minha vida, em troca da sua."

"Obrigada."

Orgulho

Comentando a iniciativa, a mãe de uma doadora disse que, para as famílias envolvidas, receber um obrigado do paciente transplantado tem um valor incalculável.

A filha de Cathy, Emma, morreu repentinamente. Ela carregava um cartão de doadora, pedindo que seus órgãos fossem transplantados após sua morte.

O fígado de Emma permitiu que Simon, professor e artista, vivesse saudavelmente durante os últimos nove anos.

Regularmente, Cathy recebe notícias de Simon e de sua família, o que, ela explica, lhe traz grande conforto.

"O fato de que Simon continua bem torna nossa família orgulhosa do desejo de Emma de ser uma doadora."

"É preciso muita coragem para que o receptor e sua família tomem a decisão de dizer obrigado de alguma maneira, mas o efeito que isso tem sobre as famílias dos doadores é incalculável."

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet