Tailândia extradita 'mercador da morte' para EUA

Viktor Bout
Image caption Bout foi levado para aeroporto sob forte esquema de segurança

O russo Viktor Bout, conhecido como “Mercador da Morte”, foi extraditado da Tailândia para os Estados Unidos, onde deve enfrentar acusação de conspiração para a venda de armas.

Bout foi preso em Bangcoc em março de 2008, durante uma operação conjunta de forças tailandesas e americanas, em que ele teria tentado vender armas para policiais que diziam representar as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

A extradição foi autorizada pelo governo tailandês após meses de batalhas legais.

Viktor Bout é acusado por agências da Organização das Nações Unidas e governos ocidentais de fornecer armas para ditadores e milicianos na África e para a Al-Qaeda e o Talebã.

Nos Estados Unidos, Bout é acusado de conspiração para assassinar cidadãos americanos, para dar apoio material a terroristas e para adquirir e utilizar mísseis antiaéreos.

Se condenado por um tribunal americano, ele pode receber pena de prisão perpétua.

Dilema

Viktor Bout deixou Bangcoc em um voo fretado horas depois que o primeiro-ministro tailandês, Abhisit Vejjajiva, decidiu apoiar a decisão de um tribunal de apelações que abria caminho para a extradição.

Dezenas de policiais acompanharam a transferência de Bout de uma prisão de segurança máxima para o aeroporto.

Segundo analistas, o premiê tailandês enfrentou um dilema durante o caso: cooperar com seu antigo aliado, os Estados Unidos, ou agradar a Rússia, que tem uma crescente presença em termos de negócios e turismo na Tailândia.

A Rússia diz que Bout é um homem de negócios inocente e alega que a extradição é injustificável e resultado de pressão política exercida pelos Estados Unidos.

Os tribunais tailandeses prometeram e adiaram a extradição diversas vezes, até que em agosto ficou decidido que Bout deveria ser extraditado em três meses.

Os Estados Unidos chegaram a mandar um avião para buscá-lo, mas, uma vez mais, a extradição foi adiada porque os tribunais disseram que teriam que analisar acusações de lavagem de dinheiro e fraude contra Bout.

Em outubro, o tribunal decidiu abandonar essas acusações, abrindo caminho para a extradição.

Decisão 'ilegal'

O ministro russo das Relações Exteriores disse, nesta terça-feira, que a extradição é "ilegal".

Tanto a esposa de Viktor Bout como a Embaixada russa na Tailândia expressaram surpresa pela natureza repentina da extradição.

"Ninguém sabia sobre isso (a extradição), nem eu, nem o advogado", disse Alla Bout ao canal de TV russo Rossiya.

Ela chegou a ir até a prisão numa aparente tentativa de ver o marido, mas ele já havia sido levado para o aeroporto.

De acordo com a agência de notícias russa Interfax, o advogado de Bout, Viktor Burobin, disse que a extradição é ilegal "porque o tribunal tailandês nunca analisou o segundo pedido de extradição feito pelas autoridades americanas".

Analistas dizem que Viktor Bout, um ex-oficial da Força Aérea russa, teria informações privilegiadas sobre operações militares e de inteligência russas e poderia fazer revelações perigosas durante um julgamento.

Notícias relacionadas