UE aprova pedido da Irlanda por empréstimo

Pedinte em Dublin
Image caption Governo irlandês está preparando plano para baixar déficit orçamentário

O primeiro-ministro da Irlanda, Brian Cowen, disse neste domingo que o seu país e a União Europeia (UE) fecharam um acordo por um empréstimo para equilibrar as contas públicas irlandesas.

Cowen afirmou que os detalhes do acordo seriam negociados nos próximos dias.

Segundo o ministro irlandês das Finanças, Brian Lenihan, a quantia será inferior a 100 bilhões de euros (R$ 235 bilhões) e será usada para diminuir o déficit orçamentário do país para 3% do PIB até 2014.

Em comunicado conjunto, os ministros europeus das Finanças elogiaram o pedido irlandês por auxílio e disseram ter concordado em fornecer empréstimos ao país.

Segundo o grupo, o dinheiro virá de fundos geridos pela EU e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Outros países, como a Suécia e a Grã-Bretanha, indicaram que poderão fazer empréstimos adicionais à Irlanda, segundo o comunicado.

Cowen afirmou que seu governo em breve anunciaria um plano orçamentário para os próximos quatro anos que reestruturaria o sistema bancário do país, reduzindo o tamanho dos bancos.

Em Bruxelas, o comissário das Finanças da UE, Olli Rehn, disse que os empréstimos seriam fornecidos ao longo de três anos.

Solidariedade

A crise econômica mundial atingiu a Irlanda em cheio.

Outrora apelidado de Tigre Celta por seu forte crescimento econômico – estimulado pelos baixos impostos sobre os lucros das empresas –, o país viu seu sistema bancário se endividar por causa do estouro de uma bolha no setor imobiliário.

O endividamento encareceu os custos de empréstimos para os próprios bancos e para o governo.

Ao anunciar o plano de resgate, Cowen apelou por solidariedade.

“Ao povo irlandês eu digo simplemente isto: Não devemos subestimar a escala dos nossos problemas econômicos, mas devemes ter fé na nossa capacidade como um povo de nos recuperarmos e prosperarmos de novo”, disse ele numa coletiva de imprensa.

“Agora precisamos mostrar no nosso próprio país a solidariedade que os nossos vizinhos nos mostraram neste momento”, afirmou.

Pressão

A Irlanda vinha sendo forçada por vizinhos europeus a pedir ajuda financeira. O pedido é uma reviravolta para o governo irlandês, que no início da semana passada afirmara que o empréstimo era desnecessário.

O país tem gastado cerca de 19 bilhões de euros (R$ 45 bilhões) a mais do que tem recebido em receitas, e os seus bancos também precisam de uma grande injeção de dinheiro.

O governo irlandês será o segundo país a receber um empréstimo da UE e do FMI para combater os efeitos da crise.

Em maio, a Grécia negociou um pacote de 110 bilhões de euros, a serem repassados ao longo de três anos.

Agora as atenções se voltam para Portugal, outra pequena economia da zona do euro com alto nível de endividamento.

Notícias relacionadas