Vaticano diz que orientação sobre camisinhas vale para homens e mulheres

O papa Bento 16e o jornalista Peter Seewald, que o entrevistou para o livro
Image caption Livro de entrevistas foi lançado nesta terça-feira em Roma

O Vaticano esclareceu nesta terça-feira as declarações feitas recentemente pelo papa Bento 16 sobre o uso de camisinha ser aceitável "em certas situações" afirmando que a utilização de preservativos para evitar o HIV pode ser um “ato de responsabilidade” tanto para homens como para mulheres

Em comentários divulgados no último sábado, o pontífice havia afirmado que, no caso de homens que se prostituem, por exemplo, o uso de proteção seria "um ato de responsabilidade moral", ainda que as camisinhas "não sejam realmente o caminho para lidar com o mal da infecção pelo HIV".

No entanto, nesta terça-feira, o Vaticano afirmou que os comentários de Bento 16 se referem a atividades sexuais envolvendo homens ou mulheres.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, perguntou ao papa se suas observações podem ser aplicadas apenas a homens, e o pontífice afirmou que não importa, o importante é levar a vida da outra pessoa em consideração.

Leia mais na BBC Brasil: Declaração de Papa sobre camisinha é bem recebida por ativistas

Segundo o correspondente da BBC em Roma, David Willey, que participou nesta terça-feira do lançamento do livro onde estão as declarações do papa, Federico Lombardi disse a jornalistas que Bento 16 aprovou pessoalmente o texto do livro.

A obra, sem lançamento previsto no Brasil, se chama Light of the World: The Pope, the Church and the Signs of the Times ("Luz do Mundo: o Papa, a Igreja e os Sinais dos Tempos", em tradução livre) consiste de uma série de seis entrevistas de uma hora que ele concedeu a um jornalista alemão.

Distanciamento

Nas edições em inglês e alemão do novo livro, Bento 16, em seu comentário sobre o uso de camisinha, se refere apenas a homens que se prostituem. Na edição em italiano, o papa se refere a mulheres que se prostituem.

Segundo David Willey, Lombardi explicou que o pontífice quis dizer que não importa se a pessoa é homem, mulher ou transexual, o que importa é que, no combate à Aids, todos têm de levar em conta a vida do parceiro.

Lombardi também afirmou que o papa queria usar uma linguagem mais coloquial, que todos pudessem entender.

De acordo com o correspondente da BBC, o novo livro de entrevistas marca um distanciamento radical no discurso tradicionalmente usado por Bento 16.

Nunca antes o papa havia falado abertamente sobre alguém "se atirando na cama com alguém que conheceu aleatoriamente".

Image caption A edição em italiano do novo livro do papa tem uma tradução mais abrangente

Bento 16 fez este comentário em resposta a uma questão que citou a atriz de Hollywood Raquel Welch, que afirmou que o surgimento da pílula anticoncepcional há 50 anos levou à prática sexual sem responsabilidade e ao enfraquecimento do casamento e da família.

O livro também mostra algumas informações sobre o cotidiano do pontífice e de como ele passa os poucos momentos livres que tem em sua agenda.

Nas entrevistas, Bento 16 falou que segue os noticiários na televisão e, algumas vezes, assiste a DVDs durante a noite, junto com seus secretários e com as freiras que cozinham e limpam sua residência.

Notícias relacionadas