Para analistas, escolhas indicam 'mão forte' de Dilma sobre economia

Especialistas ouvidos pela BBC aprovaram nome de Alexandre Tombini para o BC. Foto: Abr
Image caption Dilma escolheu Tombini para o BC e manteve Mantega na Fazenda.

Especialistas ouvidos pela BBC Brasil afirmam que a permanência de Guido Mantega como ministro da Fazenda e a entrada de Alexandre Tombini no Banco Central (BC) podem indicar que a futura presidente, Dilma Rousseff, terá um comando forte sobre a economia, colocando esta área em primeiro plano.

Tombini foi anunciado nesta quarta-feira como o substituto de Henrique Meirelles, que completará oito anos no cargo. Sua posse depende de aprovação do Senado. Já Guido Mantega foi confirmado para permanecer à frente do Ministério da Fazenda.

Também foi anunciado que a atual secretária-executiva do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Miriam Belchior, será a ministra do Planejamento, no lugar de Paulo Bernardo.

Segundo o economista Roberto Troster, da consultoria Integral Trust, o novo presidente do BC é "tecnicamente muito bom", por ter experiência de governo e por ter bom trânsito no mercado.

Sobre a permanência de Mantega, Troster afirma que o tom será de continuidade. "Ele já está (no ministério) há quatro anos e pouco, então todo mundo sabe como ele é".

Para o economista, os nomes anunciados por Dilma indicam que não haverá dissonâncias dentro da equipe econômica.

"Antes, tinha um comandante no BC e um comandante na Fazenda. Agora vai ter só um comandante da economia, que é a Dilma", diz Troster.

"Mais importante é a mudança de status da política econômica", afirma. "Ela deixa o nível ministerial e vira uma questão presidencial".

Cooperação

A opinião é compartilhada pelo economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio e ex-diretor do Banco Central, Carlos Thadeu de Freitas Gomes. Para ele, Dilma comandará diretamente a equipe econômica, dando máxima atenção a esta área.

Para Gomes, o mais importante será a cooperação entre Tombini e Mantega na condução da política cambial, evitando a entrada excessiva de capital externo, o que valoriza o real e prejudica as exportações. “O problema de excesso de dólares também é um problema da Fazenda”, diz.

Gomes acredita que Tombini tem “experiência e moderação” para assumir o BC. Segundo ele, a vantagem de ter um funcionário de carreira na função é evitar “precipitações ideológicas”, que são um risco, segundo ele, se o titular do cargo for alguém ligado ao mercado.

“O mercado cobra decisões rápidas, que podem ser certas e erradas”, diz o economista. “Ter alguém de carreira (na presidência do BC) tira as pressões ideológicas”.

Para Gomes, Meirelles acabou sofrendo tais pressões, que levaram a altas de juros em momentos errados, mas que acabaram sendo “consertadas” depois.

Aprendizado

O ex-presidente do BC e professor da Fundação Getúlio Vargas Carlos Langoni afirma que a transição de Meirelles para Tombini será "suave e não traumática".

Ele diz que o novo presidente do BC tem credenciais acadêmicas, experiência no FMI e trabalha com a equipe de Meirelles há anos, o que faz dele uma escolha "tranquila".

Quanto a Mantega, Langoni afirma que a atuação da Fazenda neste ano foi boa, "sem cometer excessos", mas que o ministro ainda está em um "processo de aprendizado".

O ex-presidente do BC, no entanto, não acredita que a futura presidente venha a comandar diretamente a economia.

"Acho que Dilma tem responsabilidades que vão além da área econômica", diz Langoni.

"Não acho que seja desejável, nem acho que vá acontecer de ela se envolver diretamente na execução (da política econômica). Ela vai dar as grandes linhas e pedir que a equipe siga a orientação."

Langoni aposta que o governo, mesmo que a futura presidente negue, fará um ajuste fiscal e reduzirá despesas.

Segundo o professor da FGV, a influência do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci como “homem forte” de Dilma indica o caminho de uma redução dos gastos governamentais.

Notícias relacionadas