Grã-Bretanha

Polícia dispersa manifestação de estudantes em Londres

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

A polícia de Londres estava dispersando, na noite desta quarta-feira, uma manifestação de milhares de estudantes, que voltaram às ruas do centro da cidade para protestar contra um aumento nas taxas anuais de empréstimos universitários.

Dois policiais e ao estimados 11 civis ficaram feridos durante as marchas, e ao menos 29 pessoas foram detidas. Elas estavam sendo soltas gradualmente na noite desta quarta. Um carro da polícia chegou a ser cercado e atacado.

Os estudantes também ocuparam ao menos 12 universidades, em Plymouth, Oxford, Birmingham, Londres e Bristol. Marchas e outros protestos também ocorreram em universidades e colégios em Manchester, Liverpool, Sheffield, Cambridge, Leeds, Newcastle e em várias cidades da Escócia.

Um porta-voz do governo britânico afirmou que “as pessoas têm direito de protestar, mas não há lugar para violência e intimidação”.

Cortes

O plano do governo é cortar o orçamento para a educação superior em até 40% e eliminar as bolsas para professores, salvo as de ciência e matemática, dentro do plano de austeridade que visa reduzir o deficit público do britânico.

Outros custos da educação devem passar a ser financiados pelo aumento nas taxas dos empréstimos estudantis cobrados pelas universidades, que seriam elevadas a partir de 2012.

Protestos em Londres

Estudantes dizem que parlamentares quebraram sua promessa

O piso das anuidades dos empréstimos passaria de 3.290 libras (R$ 8,9 mil) para 6 mil libras, e algumas universidades poderiam cobrar até 9 mil libras em "circunstâncias excepcionais" - se oferecem, por exemplo, bolsas e programas que incentivassem estudantes mais pobres a cursá-las. Segundo autoridades, o novo sistema é mais "justo".

O empréstimo de anuidade poderá ser quitado quando o formando estiver ganhando um salário anual a partir de 21 mil libras.

Parlamentares são alvo

Depois de se reunir em Trafalgar Square, no centro da capital britânica, os estudantes marcharam em frente à residência do primeiro-ministro, em Downing Street.

Logo em seguida, a polícia conseguiu conter o protesto, antes que os estudantes chegassem à praça em frente ao Parlamento.

Um outro protesto de estudantes em Londres, há duas semanas, acabou com um ataque à sede do Partido Conservador (governista).

Nesta quarta-feira, os manifestantes tentaram se reunir em frente à sede do Partido Liberal Democrata (do vice-premiê Nick Clegg), cujos líderes se transformaram em alvo dos estudantes.

Eles acusaram os parlamentares do partido de não cumprir a promessa de votar contra o aumento nos empréstimos estudantis.

Clegg disse à BBC Radio2 que “odeia” fazer promessas que “depois você descobre que não pode cumprir”, alegando que teve que ceder na questão para compor a coalizão governista com o Partido Conservador (do premiê David Cameron).

Estudantes em Birmingham pediram que as direções das universidades rejeitem o que chamam de “um plano socialmente regressivo que limitará o acesso à educação”.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.