Governo americano processa BP por vazamento no Golfo do México

Vazamento no Golfo do México
Image caption Vazamento foi a pior tragédia ambiental da história dos EUA

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos decidiu processar a petroleira BP e outras oito empresas envolvidas no vazamento de petróleo no Golfo do México, ocorrido em abril.

Segundo o procurador geral dos EUA, Eric Holder, essas companhias desrespeitaram políticas de seguranças federais e, por isso, devem se responsabilizar por todos os custos de limpeza das áreas afetadas e dos prejuízos bilionários.

Com a explosão na plataforma Deepwater Horizon, 11 funcionários morreram e milhões de barris de petróleo vazaram no mar durante meses, causando a maior tragédia ambiental da história do país.

O vazamento só foi estancado totalmente em julho, boa parte da costa da região já havia sido poluída.

Em um comunicado, a BP afirmou que o processo não constitui provas que a responsabiliza, nem que as alegações tinham mérito. A companhia disse que iria responder às alegações do governo no momento apropriado.

Entre as companhias processadas estão Anadarko, Transocean, MOEX Offshore, Triton Asset Leasing GMBH e QBE Underwriting Ltd/Lloyd's Syndicate 1036 – a seguradora da BP.

Acusações

De acordo com o processo, as empresas são acusadas de não tomar as precauções necessárias para manter o local sob controle e de não usar a tecnologia mais segura para monitorar o poço.

Outras acusações também fazem referência à falta de equipamentos necessários para garantir a segurança dos funcionários e dos recursos naturais.

A Halliburton, responsável por cimentar o poço, não aparece no processo, assim como a Cameron International, que forneceu os equipamentos para a sua perfuração.

No entanto, o Departamento de Justiça afirmou que a investigação sobre o vazamento continua e mais empresas podem ser adicionadas ao processo.

“Queremos provar que elas (as companhias envolvidas) são totalmente responsáveis pelos gastos que o governo teve na limpeza do petróleo, pelas perdas econômicas e pelos danos ambientais”, disse Holder.

“E à medida que a investigação continua, não vamos hesitar em tomar as medidas necessárias para responsabilizar outros envolvidos no vazamento.”

Notícias relacionadas