Manifestantes protestam contra eleições em Belarus

Image caption O candidato de oposição Neklyaev foi ferido em confronto com a polícia

Centenas de manifestantes da oposição protestam em Minsk, capital de Belarus, contra a suposta fraude nas eleições presidenciais deste domingo.

Os eleitores quebraram portas e janelas da sede do governo e entraram em conflito com a polícia de choque.

Horas antes, a polícia reprimiu outro protesto. O candidato da oposição Vladimir Neklyaev foi ferido no conflito.

Pesquisas sugerem que o presidente em exercício Alexander Lukashenko será o vencedor das eleições, com 70% dos votos. No entanto, a oposição diz ter havido fraude.

Lukashenko foi o primeiro presidente do país, que é ex-integrante da União Soviética. Ele concorre ao quarto mandato.

Belarus nunca teve uma eleição considerada justa por monitores internacionais.

Protesto

Vladimir Neklyaev foi levado ao hospital com ferimentos na cabeça depois que a polícia dispersou os protestos de centenas de seus eleitores após a votação.

Os policiais usaram granadas de barulho e bastões para reprimir a manifestação.

Horas depois, pelo menos 10 mil pessoas se reuniram no centro de Minsk para denunciar fraude nas eleições.

Portando bandeiras não-oficiais do país, eles gritavam "Pela liberdade" e "Abaixo à Gulag (Campos de trabalho forçados da União Soviética".

Os manifestantes tentaram tomar o prédio do governo, mas foram afastados pela polícia.

No início do domingo, o presidente Lukashenko alertou aos opositores sobre possíveis protestos.

"O que espera os manifestantes está nas nossas leis. Tudo será feito de acordo com a lei", disse.

Ele disse ainda que "ninguém iria à praça hoje à noite".

Campanha

A eleição teve outros nove candidatos à presidência além de Lukashenko, que governa desde 1994.

Pela primeira vez, a rede de televisão estatal exibiu um debate entre os candidatos de oposição, sem a presença do presidente.

As autoridades também permitiram que ativistas coletassem assinaturas durante a campanha, cantassem músicas de protesto e lessem poemas contra o governo.

Segundo o correspondente da BBC em Minsk, David Stern, muitos acreditam que o resultado do pleito tenha sido pré-determinado e que as liberdades políticas foram concedidas somente para dar a impressão contrária à comunidade internacional.

Um dos três principais candidatos de oposição, Andrei Sannikov, disse no começo da semana que "Lukashenko precisava fazer isso para mostrar aos europeus, porque ele precisa de dinheiro da Europa".

O presidente disse a repórteres na última semana que não planeja deixar o cargo, nem através das eleições nem por outros meios.

Notícias relacionadas