Lula diz que foi 'gostoso' governar o Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, na última participação em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, que foi "gostoso demais" governar o Brasil e que vai "trabalhar até o último dia" de seu mandato.

"Eu quebrei um tabu, porque todo mundo dizia que era muito difícil governar o Brasil, que era difícil, que era complicado. Eu não achei nada complicado, achei até gostoso demais, provar que é possível fazer as coisas, provar que é possível fazer acontecer, provar que é possível permitir que o povo participe", disse Lula.

Lula afirmou que irá viajar a trabalho até o próximo dia 30 (quinta-feira). "É preciso que a gente trabalhe do primeiro ao último dia", disse o presidente, cujo mandato termina no dia 31.

Nesta semana, Lula tem marcadas em sua agenda passagens por Pernambuco, Ceará e Bahia, além de inaugurações previstas em Brasília.

"Até o dia 30 eu trabalho. No dia 31, eu paro para descansar, desligo o motor, deixo o motor esfriar para poder entregar o motor para a (presidente eleita) Dilma (Rousseff), com manutenção feita, tudo direitinho, para que ela possa começar, no dia 2 de janeiro, a 100 (km) por hora", disse Lula.

Em uma mensagem de Ano Novo, o presidente pediu apoio a Dilma, que toma posse no próximo dia 1º.

Segundo Lula, Dilma tem compromissos com as segundas etapas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e do programa Minha Casa, Minha Vida, além das áreas de segurança, saúde e combate à pobreza.

"Serão quatro anos de intensivo trabalho", afirmou o presidente.

Lula disse que o Brasil pode se tornar a quinta economia mundial "em quatro ou cinco anos" e que, para isto, vai precisar "de muita energia positiva".

"No frigir dos ovos, vivemos mais melhores momentos do que piores", disse o presidente sobre seu período na Presidência, iniciado em janeiro de 2003.

"Eu sou um homem (...) agradecido a Deus, que foi muito generoso comigo, me deu o que eu jamais imaginei ter, ou seja, a sorte de ser presidente deste país", afirmou Lula.