Blatter propõe criação de comitê anticorrupção na Fifa

O presidente da Fifa, Joseph Blatter
Image caption Blatter afirmou que não integrará o comitê para garantir independência

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que pretende criar um comitê anticorrupção para policiar o órgão que controla o futebol mundial.

O anúncio ocorre após denúncias de corrupção envolvendo a votação para a escolha das sedes da Copa do Mundo de 2018 e 2022.

“Esse comitê fortalecerá a nossa credibilidade e nos dará uma nova imagem em termos de transparência”, afirmou Blatter.

O presidente da Fifa disse ao jornal suíço SonntagsZeitung que o comitê será formado por entre sete e nove membros “não só do esporte mas da política, finanças, negócios e cultura”.

Ele afirmou que não integrará o comitê, para garantir a sua independência.

A intenção de criar uma unidade anticorrupção lança uma sombra sobre o futuro do comitê de ética da Fifa, que investigou denúncias de corrupção no ano passado.

Após a investigação, os membros do comitê executivo da Fifa Amos Adamu e Reybald Temarii foram suspensos. Eles foram acusados de propor a venda de seus votos para a escolha da sede da Copa do Mundo. Ambos negaram a acusação.

Em dezembro, os outros 22 membros do comitê executivo decidiram que a Rússia sediará o torneio de 2018, e o Catar, o de 2022.

Durante o processo de candidaturas para sediar o evento, a Fifa também foi forçada a investigar rumores de conluio entre associações regionais e comitês candidatos.

À época, o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, alertou que acordos sobre votos contrariavam as regras da entidade. A investigação inocentou os comitês do Qatar e de Portugal-Espanha das acusações.

Três dias antes da escolha das sedes, o programa Panorama, da BBC, revelou que três altos funcionários da Fifa (Nicolas Leoz, Issa Hayatou e Ricardo Teixeira, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol) receberam propinas nos anos 90. Os três negam a acusação.

A Fifa disse que o caso já havia sido investigado na Suíça e que não resultara em qualquer condenação.

Notícias relacionadas