Austrália

Enchentes na Austrália causam prejuízos de mais de R$ 1,6 bilhão

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Os prejuízos provocados pelas maiores enchentes dos últimos 50 anos na Austrália já passaram de 1 bilhão de dólares australianos (R$ 1,69 bilhão), segundo o governo. No momento, 23 cidades estão submersas, em uma área maior do que os territórios de França e Alemanha juntos.

As inundações estão concentradas no Estado de Queensland, no nordeste do país, onde mais de 200 mil pessoas já tiveram que abandonar suas casas e estão abrigadas em escolas e em prédios da Cruz Vermelha Australiana.

A cidade de Rockhampton, no centro de Queensland e onde vivem cerca de 77 mil habitantes, está isolada. A Força Aérea Australiana está utilizando helicópteros para levar água potável e alimentos aos desabrigados.

O rio Fitzroy, que corta a região, está mais de 8 metros acima do nível normal, fazendo com que Rockhampton pareça uma "ilha no meio do oceano", segundo a governadora de Queensland, Anna Bligh. Moradores estão sendo retirados de casa por pequenas embarcações.

O prefeito de Rockhampton, Brad Carter, afirmou que o pico da enchente deve acontecer nesta quarta-feira. O aeroporto da cidade deve ficar fechado por pelo menos três semanas, e muitas estradas terão de ser reconstruídas.

O trabalho de limpeza da cidade deverá durar quase um mês. Não há eletricidade em vários bairros.

Imagem aérea mostra inundação em Queensland (Foto: Reuters)

"(A situação) é grave. Esta pode ser a segunda ou terceira maior inundação que esta região já viu", afirmou Carter.

Mortes

A policia de Queensland confirmou que três pessoas já morreram e outras 22 ficaram feridas em consequência das enchentes. Duas morreram afogadas quando tentavam atravessar de carro as estradas cobertas pela água e acabaram caindo nos rios. A terceira vítima caiu de um barco e desapareceu. Seu corpo foi encontrado no domingo.

Para evitar novas mortes, a polícia está pedindo aos motoristas que evitem trafegar pelas estradas alagadas, já que a correnteza está muito forte e acaba arrastando os carros para dentro dos rios.

Estima-se que 80% do município de Emerald, na região central do Estado, estejam inundados pelo rio Nagoa. Cerca de mil dos 1,3 mil moradores locais foram retirados em botes de suas casas e levados pelas equipes de resgate para abrigos só com a roupa do corpo.

Chuvas castigam Austrália desde o fim do ano passado (foto de 31/12)

O serviço de meteorologia está prevendo mais chuvas fortes na região, principalmente sobre as cidades de Dalby, Roma, Charleville, Emerald, St. George e Gooandwindi.

Custos

Autoridades federais e estaduais afirmam que o prejuízo causado pelas enchentes deve continuar crescendo, já que atividades econômicas como mineração, turismo e agricultura foram seriamente atingidas.

O governo de Queensland disse que vai doar 25 mil dólares australianos (R$ 42,3 mil) aos fazendeiros e aos donos de pequenas empresas que foram atingidos pelas tempestades. Segundo a premiê Julia Guillard, o governo federal usará o Fundo de Emergência do país para compensar empresários e fazendeiros das regiões alagadas.

Centenas de voluntários estão ajudando no trabalho de resgate as vítimas das enchentes, enquanto moradores tentam salvar o que podem e se deslocar para áreas mais seguras.

Em Bundaberg, a sudoeste de Queensland, onde 300 casas e 120 lojas foram invadidas pela água, o trabalho de limpeza já começou. Aos poucos, os moradores já começaram a retornar. Mas em outras cidades, como Theodore e Condamine, muitas casas continuam abandonadas.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.