Governo mira mercado futuro de dólar para segurar valorização do real

O governo brasileiro anunciou, nesta segunda-feira, mais uma medida para tentar segurar a valorização do real frente ao dólar.

Dessa vez o foco foi o mercado futuro de dólar, ambiente que concentra grandes negociações com a moeda americana. Somente nesta segunda-feira, o movimento foi de US$ 10 bilhões na BM&F, contra US$ 200 milhões no mercado à vista de câmbio.

A medida anunciada pelo Ministério da Fazenda permite a compra de dólares pelo Fundo Soberano nesse mercado.

Com isso, o governo ganha mais uma arma na compra de dólares, o que ajuda a reduzir o volume de moeda americana em negociação – puxando sua cotação para cima.

As operações de compra de dólar futuro costumavam ser realizadas pelo Banco Central, mas há mais de um ano estão suspensas. O motivo foi um questionamento do Tribunal de Contas da União sobre o elevado custo da operação.

Segundo o Ministério da Fazenda, as compras realizadas pelo Fundo não constituem um “prejuízo” às contas públicas, já que não são consideradas despesas primárias.

Criado no final de 2008, o Fundo tem como objetivo diminuir “excessos” de dólar no mercado, ao mesmo tempo em que forma uma espécie de poupança a ser usada em situações de crise ou mesmo em investimentos.

Essa é a segunda medida cambial adotada pelo governo brasileiro em menos de uma semana. Na última quinta-feira, o Banco Central anunciou que passará a adotar o depósito compulsório no mercado de câmbio a partir de abril.

O real valorizado tem sido uma das principais preocupações da equipe econômica da presidente Dilma Rousseff. Os exportadores são os mais afetados com a apreciação da moeda brasileira, o que já se reflete no saldo da balança comercial.

Em 2010, a diferença entre exportações e importações ficou positiva em US$ 20,3 bilhões, mas analistas de mercado já projetam um superávit bem menor para este ano, de aproximadamente US$ 8 bilhões.