Negociação nuclear com Irã entra no segundo dia

Usina nuclear de Bushehr, no Irã
Image caption Irã afirma que seu programa nuclear tem fins pacíficos

O Irã e seis potências mundiais se reúnem neste sábado para a segunda jornada de negociações a respeito do programa nuclear iraniano.

No primeiro dia do encontro, em Istambul, na Turquia, diplomatas iranianos e do grupo de seis potências deram versões conflitantes do andamento dos debates.

Negociadores dos cinco países do Conselho de Segurança da ONU (EUA, China, Rússia, França e Grã-Bretanha) e a Alemanha querem um acordo pelo qual o Irã se desfaça de seu urânio com baixo grau de enriquecimento.

Estima-se que o país tem 3 de toneladas desse material - que, com mais enriquecimento, poderia ser usado na fabricação de armas nucleares.

O Irã diz que seu programa nuclear é pacífico e tem fins civis.

Após a conclusão do primeiro dia de negociações, na sexta-feira, os relatos das duas partes foram conflitantes.

Uma equipe de negociadores iranianos - que querem discutir a questão da segurança regional no Oriente Médio - declarou à imprensa que as sessões transcorreram em uma "atmosfera positiva".

Mais tarde, entretanto, um diplomata ocidental disse que as potências estavam "frustradas" pelo que disse ser uma inflexibilidade iraniana. Os representantes do ocidente querem limitar a discussão ao programa nuclear iraniano.

Antes do encontro, um porta-voz do Departamento de Estado americano afirmou não esperar grandes avanços nestas negociações, mas sim o início de um "processo construtivo, que leve o Irã a se engajar com a comunidade internacional".

A ONU já impôs quatro rodadas de sanções ao Irã, acusando o país de falta de transparência em relação ao seu programa nuclear.

<b>Propostas</b>

O correspondente da BBC para o Irã, James Reynolds, disse que as autoridades iranianas já indicaram estar dispostas a se desfazer de parte de seu estoque de urânio com baixo enriquecimento.

Entretanto, para os negociadores das grandes potências, "uma parte" não é suficiente, observou o correspondente da BBC. Eles querem que o Irã se desfaça da maior parte de seu estoque e que não reste material suficiente para a construção de uma única bomba sequer.

Há relatos de que os negociadores estariam tentando retomar uma antiga oferta ao Irã para troca de combustível nuclear, pela qual o país entregaria uma quantidade acertada de seu urânio com baixo grau de enriquecimento e receberia, em troca, combustível para seu reator de pesquisas em Teerã.

Uma primeira versão do acordo havia sido acertada em outubro de 2009, mas ele foi abandonado pouco depois. Em maio de 2010, o Brasil e a Turquia acertaram com o Irã uma nova versão do acordo, que foi rejeitada principalmente por iniciativa dos Estados Unidos.

Notícias relacionadas