Promotores pedem mandado de busca contra assessor de Berlusconi

AFP
Image caption No sábado, o premiê disse que não renunciará por causa do escândalo

Promotores que investigam o premiê italiano Silvio Berlusconi solicitaram um mandado de busca e apreensão para vasculhar o escritório de Giuseppe Spinelli, um dos assessores do político.

Berlusconi é acusado de ter pago por relações sexuais com prostitutas menores de idade, e Spinelli – que gerencia a Fininvest, uma das empresas do premiê – é acusado de ter participado da transferência do dinheiro.

Promotores em Milão enviaram nesta quarta-feira uma nova leva de documentos a um comitê parlamentar pedindo autorização para investigar Spinelli. Eles dizem ter provas de pagamentos feitos por Berlusconi a prostitutas, inclusive a uma dançarina conhecida como Ruby, que teria 17 anos quando supostamente teve relações sexuais com o líder italiano.

No último sábado, o premiê negou que vá renunciar por causa do escândalo, que considera “uma tentativa de subverter o desejo dos eleitores”. Ele nega as acusações.

Documentos ‘relevantes’

Um dos promotores, Bruti Liberati, disse aos jornalistas que “novos elementos emergiram quanto à existência de documentos no escritório de Giuseppe Spinelli (que são) relevantes ao inquérito”.

O comitê parlamentar adiou por uma semana sua decisão sobre o mandado, pedindo mais tempo para analisar a demanda dos promotores.

Já Spinelli disse que o escândalo ganhou proporções exageradas e que o dinheiro dado às mulheres eram atos de caridade.

Enquanto isso, os advogados de Berlusconi enviaram documentos que incluem supostos depoimentos de várias testemunhas negando que Berlusconi tenha organizado festas que incluiriam orgias.

Ruby, uma marroquina cujo nome verdadeiro é Karima El Mahrough, afirma que Berlusconi lhe deu 9 mil euros (R$ 20 mil) ao fim de uma festa, mas afirma que a quantia não era um pagamento por serviços sexuais. Ela nega ser uma prostituta.

‘Insultado’

Berlusconi tem dito que os promotores não têm jurisdição para atuar no caso e, na terça, afirmou por telefone a um talk-show italiano que se sentia “insultado” pelos comentários que o programa estava fazendo a respeito do escândalo sexual.

O premiê chegou a trocar ofensas com o apresentador do talk-show, Gad Lerner. Disse que o programa de Lerner estava sendo “conduzido de uma maneira desprezível e repugnante”, e o apresentador respondeu que o premiê era um “ignorante grosseiro”.

Notícias relacionadas