Grandes investidores espanhóis querem ampliar negócios no Brasil, diz estudo

Vista aérea do rio Xingu
Image caption Abundância de matérias-primas é tida como um dos trunfos do Brasil

Três em cada quatro das empresas espanholas com maior volume de investimentos na América Latina pretendem aumentar seus negócios no Brasil, segundo um estudo divulgado na Espanha.

O estudo da IE Business School e da Consultoria Kreab Gavin Anderson (especializadas em análises técnicas de mercados internacionais), intitulado 4º Panorama de Investimento Espanhol na América Latina , indica que 96% dos empresários espanhóis acreditam que a situação do Brasil em 2011 será “boa ou muito boa” e que 75% dos entrevistados afirmam pretender aumentar seus negócios no mercado brasileiro.

Na outra ponta da tabela, a Bolívia tem a expectativa negativa de 87% dos empresários, enquanto Venezuela e Argentina são classificadas como áreas de “alto risco” para os investidores.

A pesquisa foi feita entre as 24 empresas espanholas com maior volume de negócios na América Latina.

Estabilidade

Coordenador da pesquisa e professor de Economia do IE Business School, Juan Carlos Martínez Lázaro disse à BBC Brasil que “ninguém se arrisca a colocar dinheiro sem a certeza de que poderá recolher os lucros”.

“Neste momento, o Brasil é um dos raros destinos (na região) onde esta certeza existe”, disse ele.

Analistas espanhóis citam fatores como estabilidade financeira e política, garantias jurídicas, abundância de matérias primas, potencial de futuro e bons índices macroeconômicos, comprovados por organismos internacionais, como razões para recomendar investimentos no país.

Já as principais queixas sobre o Brasil são a taxa de câmbio e a falta de infra-estrutura.

Crise

Para as empresas espanholas, fazer negócios na América Latina tem sido também uma forma de escapar da crise na Europa. Segundo as últimas previsões do Fundo Monetário Internacional, em 2011 a Espanha crescerá 0,6% e a crise só se encerrará no fim de 2012.

A ministra de Economia, Elena Salgado, recomendou em entrevista coletiva em dezembro que os empresários apostem na América Latina, já que a região “está tendo excelente recuperação com números que nós mesmos gostaríamos de ter”.

Empresas como o Banco Santander e a Telefônica já têm em média 38% do faturamento vindo das filiais latino-americanas.

Um estudo da Comissão de Assuntos Ibero-Americanos do Senado espanhol indicou o Brasil como destino mais seguro na América Latina para os próximos 15 anos.

Depois estão México, Colômbia, Chile, Panamá e Peru. Os menos recomendados foram Venezuela, Argentina, Bolívia, Equador e Cuba.

Atualmente, grupos espanhóis concorrem em licitações para projetos para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016 nos setores de energia, construção, transportes, telecomunicações, saneamento, turismo e biotecnologia.

Notícias relacionadas