Com 'ajuda' da Petrobras, contas do governo ficam na meta em 2010

O processo de capitalização da Petrobras, que gerou uma receita de R$ 31,9 bilhões para o governo, ajudou o país a fechar o ano de 2010 com um superávit primário dentro da meta prevista.

A economia feita pelo país para o pagamento da dívida chegou a R$ 78,9 bilhões ou 2,16% do Produto Interno Bruto (PIB). A meta estabelecida pelo governo era de 2,15% do PIB.

Não fosse a receita com a oferta de ações da Petrobras, o superávit teria caído quase à metade, ficando bem abaixo do patamar almejado pelo governo.

Os números divulgados nesta sexta-feira pelo Tesouro Nacional, no entanto, não são considerados oficiais para a avaliação do cumprimento da meta. O dado oficial será divulgado na próxima segunda-feira, pelo Banco Central.

A inclusão da capitalização da Petrobras nas contas do superávit tem gerado uma série de críticas à contabilidade do governo, com o argumento de que os números acabam “maquiando” o resultado final.

Economistas têm defendido a volta da chamada “meta cheia”, ou seja, sem artifícios contábeis.

Entre os pontos negativos nas contas do governo em 2010 está a Previdência Social, que fechou o ano com déficit de R$ 42,89 bilhões, praticamente o mesmo nível registrado em 2009.