Após protestos, rei da Jordânia nomeia novo primeiro-ministro

Protesto na Jordânia Direito de imagem Reuters
Image caption Manifestantes foram às ruas pedir reformas políticas e econômicas

O rei Abdullah 2º da Jordânia afastou nesta terça-feira todos os membros de seu gabinete de governo e nomeou um novo primeiro-ministro, a quem pediu que aponte um novo ministério e dê andamento a reformas políticas no país.

As mudanças foram anunciadas depois de protestos em diversas cidades no mês passado, nos quais manifestantes exigiram o direito de eleger pelo voto direto o premiê e a adoção de medidas contra a pobreza e o desemprego.

O novo primeiro-ministro nomeado pelo monarca, Marouf Bakhit, já havia ocupado o cargo entre 2005 e 2007.

Segundo o correspondente da BBC em Amã Marcus George, o novo primeiro-ministro tem agora a difícil tarefa de evitar que a Jordânia passe também por uma crise política como a provocada por protestos na Tunísia e o Egito.

‘Impulso à democracia’

Em um comunicado, o escritório do rei Abdullah indicou que a missão de Bakhit será “dar passos práticos, rápidos e tangíveis para lançar reformas políticas legítimas, dar impulso à democracia na Jordânia e garantir uma vida decente e segura a todos os jordanianos”.

O texto diz que reformas são “uma necessidade para proporcionar uma vida melhor” à população do país, e que isso só será possível se houver um “aumento na participação popular na tomada de decisões”.

Centenas de jordanianos protestaram nas últimas semanas nas ruas da capital jordaniana, Amã, e de outras cidades pedindo a renúncia do agora ex-primeiro-ministro Samir Rifai, cuja renúncia foi aceita pelo rei Abdullah também nesta terça-feira.

Rifai foi apontado como responsável pelo aumento nos preços do combustível e dos alimentos no país.

O grupo de oposição Frente de Ação Islâmica criticou a indicação de Marouf Bakhit, dizendo que a escolha indica que as reformas ainda não irão começar, e pediu que os protestos continuem.

Entretanto, o grupo salientou que não pretende pedir que o Rei Abdullah 2º seja afastado do poder.

Notícias relacionadas