Protestos no Egito

Mubarak afirma que não tentará a reeleição e pede transição pacífica

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

O presidente do Egito, Hosni Mubarak, disse em pronunciamento à TV do país nesta terça-feira que não concorrerá a reeleição nas eleições presidenciais de setembro.

"Não pretendo concorrer a outro mandato presidencial", disse Mubarak, ressaltando que não deixará o poder imediatamente, como exigem as lideranças dos manifestantes.

"O Hosni Mubarak que fala a vocês se orgulha do que conquistou nos anos em que serviu o Egito e seu povo", afirmou ele.

Mubarak/AFP

Mubarak falou horas após o encontro com o enviado americano

"Este é meu país. Onde vivi, lutei e defendi sua terra, soberania e interesses e morrerei aqui", completou.

Mubarak disse que sua maior prioridade agora é garantir a estabilidade do país para permitir a transferência do poder.

Mudanças

No pronunciamento, Mubarak disse que pedirá ao Parlamento que mude a legislação que estabelece as duras condições para que os candidatos concorram ao pleito.

As leis atuais impediriam que Mohamed ElBaradei, Nobel da Paz e apontado como um dos líderes dos protestos, concorresse.

Também sinalizou que pedirá ao Parlamento para que avalie as denúncias de fraude eleitoral nas eleições parlamentares de novembro e dezembro.

O pronunciamento ocorre horas após o encontro de Mubarak com o enviado americano ao Cairo Frank Wisner que teria enviado a recomendação de Barack Obama para que o presidente egípcio preparasse uma "transição ordenada" do poder.

Reação

Centenas de milhares de manifestantes acompanharam atentamente o discurso de Mubarak por um imenso telão instalado na praça Tahrir, local que concentra os protestos contra o regime.

Assim que Mubarak acabou seu pronunciamento, a multidão começou a gritar, insatisfeita, pedindo a saída imediata do presidente.

Agitando bandeiras do país, os manifestantes afirmavam que não sairiam das ruas até que Mubarak deixe o poder.

"Ficaremos aqui hoje, amanhã, depois, não sairemos daqui", gritavam. "Você tem de sair! Você tem de sair!”

A praça Tahir vem sendo palco dos principais protestos contra o atual governo e nesta terça-feira, atraiu a maior multidão desde o início das manifestações, há oito dias.

Clique Leia mais: Protestos tomam conta do Cairo; oposição pede que Mubarak deixe o cargo

Líderes oposicionistas ouvidos pela BBC disseram que não aceitam a permanência de Mubarak até o fim de seu mandato e que os protestos devem continuar.

Manifestantes na praça Tahrir

Praça no Cairo é onde a maioria dos manifestantes se concentra

Em Alexandria, a segunda maior cidade egípcia, o correspondente Wyre Davies relata que há milhares de muçulmanos, cristãos e membros de distintas facções políticas entre a multidão que pede a saída de Mubarak. Houve pequenas brigas com apoiadores do presidente, que tentaram confiscar equipamentos dos jornalistas, mas os grupos pró-Mubarak estariam em número muito menor que os opositores.

Isso ocorre depois de a ONU ter estimado que até 300 pessoas tenham morrido até agora nos distúrbios antigoverno.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.