Museveni vence eleições presidenciais em Uganda

Partidários do candidato da oposição Kizza Besigye Direito de imagem AP
Image caption Partidários da oposição protestam após o resultado das eleições

O presidente de Uganda Yoweri Museveni venceu as eleições presidenciais do país, segundo o anúncio da Comissão Eleitoral do país, feito neste domingo.

As eleições presidenciais e parlamentares foram as primeiras realizadas pacificamente após mais de 20 anos de uma brutal guerra civil.

Museveni, que governa o país há 25 anos, obteve 68% dos votos. Seu principal adversário e ex-aliado, Kizza Besigye, teve 26%.

Besigye rejeitou os resultados e disse que houve fraude durante a votação.

Horas antes, ele ameaçou convocar protestos nas ruas se tivesse a impressão de que o processo não foi livre e justo.

O partido governista foi acusado de usar recursos do estado para subornar os eleitores.

Apesar de a votação, que ocorreu na terça-feira, ter sido pacífica, houve uma série de protestos entre partidários dos candidatos rivais nas eleições parlamentares.

Museveni prometeu pôr um fim a quaisquer protestos de rua.

Presentes

O chefe da equipe enviada pela União Europeia para acompanhar as eleições Edward Scicluna disse que estava, em geral, satisfeito com o que havia presenciado durante a votação.

"Ficamos contentes em ver que nenhum ato violento significativo aconteceu e o processo está sendo feito de maneira pacífica", disse.

No entanto, os observadores disseram que o processo foi marcado por falhas que poderiam ser evitadas.

Eles apontaram para o fato de que dinheiro e presentes foram distribuídos aos eleitores pelo partido de Museveni.

Kizza Besigye disse à imprensa, antes do anúncio dos resultados finais, que ele consultaria seus aliados neste domingo para discutir o próximo passo.

"Já está bastante claro que houve maus atos por toda a parte durante processo eleitoral", disse.

"Está claro que a vontade das pessoas não pode ser expressada por um processo eleitoral neste ambiente político corrupto e repressor."

Besigye enfrentava Museveni nas urnas pela terceira vez. Eles foram aliados na guerrilha que levou Museveni ao poder em 1986.

Notícias relacionadas