Corte britânica determina extradição de Julien Assange para a Suécia

Julian Assange Direito de imagem na
Image caption Defesa de Assange alegará falta de motivos para extradção

Um tribunal britânico determinou que o criador do site WikiLeaks, Julian Assange, seja extraditado para a Suécia por acusação de estupro.

Segundo o parecer do juiz Howard Riddle, os crimes sexuais pelos quais Assange é acusado são passíveis de extradição.

Assange foi acusado de ter violentado duas mulheres, na Suécia, e promotores suecos vinham pedindo a sua extradição para poder interrogá-lo.

Os advogados de Assange têm duas semanas para recorrer da decisão judicial.

Política

Assange vem negando as acusações e afirma que o processo tem movitações políticas.

O criador do WikiLeaks recebeu pesadas críticas de diferentes países, mas em especial dos Estados Unidos, após o site de denúncias ter começado a divulgar uma série de documentos sigilosos da diplomacia americana.

Assange e seus representantes legais vinham argumentando que os promotores suecos não teriam o direito de emitir um mandado de prisão porque ele não havia sido indiciado formalmente por nenhum delito.

Durante a audiência, na Corte dos Magistrados de Belmarsh, em Londres, os advogados de Assange também deverão questionar se o pedido de extradição não pode acarretar violações de direitos humanos básicos do acusado.

A equipe de advogados de Assange, comandada por Geoffrey Robertson, alegou que se seu cliente fosse forçado a ir para a Suécia, ele poderia ser extraditado para os Estados Unidos ou até mesmo ser enviado para a prisão de Guantánamo por outras acusações, ligadas à divulgação de documentos diplomáticos secretos pelo WikiLeaks.

A defesa de Assange diz ainda temer que ele seja sentenciado à pena de morte, caso seja extraditado para os Estados Unidos.

Os advogados de Assange afirmaram também que como a base do pedido de extradição é a intenção de interrogar o dono do WikiLeaks na Suécia, o ato de interrogá-lo poderia ser realizado na própria Grã-Bretanha ou pela internet.

A defesa do autor do WikiLeaks argumentou também que ele não receberia um julgamento justo na Suécia, uma vez que casos de estupro no país costumam ser realizados sem a presença de um júri e em segredo.

A promotoria deve argumentar que Assange, australiano de 39 anos, deve ser extraditado para enfrentar acusações de estupro sob a lei sueca, devido a alegações feitas por duas mulheres.

Assange foi solto sob fiança por decisão de um juiz da Corte Alta da Grã-Bretanha antes do Natal, após ter passado nove dias na prisão.

Notícias relacionadas