Amazona cigana luta contra preconceito e busca vaga para Londres 2012

Phoebe Buckley Direito de imagem BBC World Service
Image caption Phoebe diz que teme ser obrigada a vender seu melhor cavalo

A cavaleira britânica Phoebe Buckley, integrante da comunidade roma ou cigana, compete por uma vaga na delegação olímpica do país que disputará as Olimpíadas de 2012 em Londres.

Phoebe afirma que muitas vezes é discriminada nos círculos elitistas da equitação por causa de suas origens.

A atleta de 26 anos diz esperar que seu exemplo ajude a mudar a opinião pública a respeito do povo roma.

Ela diz querer também inspirar outras mulheres ciganas, que geralmente se casam cedo e não seguem carreira profissional, a seguir seus passos.

Custos

Seus pais nasceram e viveram como nômades em acampamentos, mas decidiram se estabelecer na cidade inglesa de Cambridge quando ela nasceu.

Após insistir muito por um pônei, aos quatro anos ganhou de seus pais um "cavalo velho" e se apaixonou pela montaria. Aos 12, começou a praticar mais seriamente.

Como muitas outras ciganas, deixou os estudos aos 13 anos. Começou então a praticar com treinadoras profissionais.

"Achamos que fosse só uma fase que ela iria superar, mas quanto mais praticava, melhor ficava e mais queria", afirma o pai de Phoebe, Tom.

Como esportista, Phoebe competiu com integrantes da elite britânica como a filha da princesa Anne, Zara Phillips.

Mas a convivência com os mais ricos do país nem sempre foi suave.

"Há algum tempo escutei alguém dizer que eu não deveria poder me misturar com este círculo por causa de onde eu vim. Isso realmente é duro", diz ela.

Phoebe é dona de dois cavalos, Flash Gordon e Identity Crisis (Crise de Identidade, em português), mas teme ser obrigada a vender o primeiro, seu favorito, para pagar os altos custos do esporte.

"Frequentemente os melhores cavalos são 'descobertos' e se te oferecem muito dinheiro é muito difícil recusar, mesmo que seja um cavalo potencialmente olímpico", diz ela.

Notícias relacionadas