Berlusconi falta a audiência sobre suposta fraude fiscal

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Primeiro-ministro italiano é acusado de formar caixa dois em rede de TV

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, não compareceu a uma audiência realizada nesta segunda-feira em um tribunal de Milão, em um julgamento no qual é acusado de fraude fiscal.

Essa é a primeira de uma série de batalhas legais que o primeiro-ministro deve enfrentar nas próximas semanas. Em uma delas, Berlusconi é acusado de ter pago para ter relações sexuais com a dançarina marroquina Karima El-Mahroug, conhecida como "Ruby, ladra de corações", na época menor de idade.

A dançarina, hoje com 18 anos, teria participado de festas na casa do premiê quando tinha 17. Berlusconi também responderá por abuso de poder em relação a uma suposta tentativa de livrar a mesma menor da prisão, depois que ela foi detida por furto.

No julgamento desta segunda-feira, a Mediaset, maior rede privada de televisão italiana, sob controle de Berlusconi, é acusada de inflacionar o preço dos direitos de transmissão de filmes americanos, comprados por duas empresas offshore também controladas pelo premiê.

Procuradores alegam que parte do dinheiro dessa compra não foi declarada, com o objetivo de formar um caixa dois.

Julgamento suspenso

O julgamento foi suspenso em abril de 2010 devido a uma lei que garantia imunidade temporária ao primeiro-ministro.

A Corte Constitucional italiana derrubou parte da lei no mês passado, determinando que juízes poderiam decidir individualmente, sem necessidade de decisões colegiadas, se Berlusconi tem "impedimento legítimo" para participar das audiências.

Os advogados de Berlusconi não alegaram qualquer "impedimento legítimo" para que ele se ausentasse da audiência. Segundo o jornal Corriere Della Sera, a defesa do premiê afirmou que ele deve comparecer ao tribunal quando o julgamento for retomado, em 11 de abril.

Berlusconi alega inocência tanto no caso de fraude fiscal quanto no que envolve a dançarina marroquina. O premiê afirma que ambas as acusações fazem parte de uma campanha contra ele iniciada pela esquerda italiana.

Notícias relacionadas