Para embaixadora americana, Khadafi não tem mais condições de governar

Direito de imagem Getty
Image caption Para Rice, Khadafi está desconectado da realidade

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice, disse nesta sexta-feira que o líder líbio Muamar Khadafi está delirando e não tem condições de governar o país.

Segundo Rice, o fato de ele conseguir rir durante uma entrevista enquanto ele “massacrava seu próprio povo”.

A embaixadora fazia referência à entrevista que Khadafi havia concedido, horas antes, ao jornalista da BBC Jeremy Bowen e a Christiane Amanpour, da rede ABC.

Durante a conversa, o líder líbio disse que era amado por seu povo e refutou a afirmação de que havia protestos antigoverno. Ele também riu quando questionado se deixará o poder.

Leia mais na BBC Brasil: Khadafi diz ser 'amado' e nega protestos em Trípoli

“O fato de ele conseguir rir ao conversar com jornalistas internacionais enquanto ele massacra seu próprio povo apenas deixa mais claro como ele não está apto para liderar e mostra como ele está desconectado da sociedade,” afirmou Rice.

“Isso torna ainda mais importante os passos urgentes que tomamos na semana passada, domesticamente e na ONU. E vamos continuar a manter a pressão.”

Bens congelados

A embaixadora ressaltou o fato de o Departamento do Tesouro americano ter bloqueado bens de Khadafi e de sua família, no valor de US$ 30 milhões.

O sub-secretário do Tesouro para terrorismo, David Cohen, afirmou que a quantia fio a maior já bloqueada pelo órgão. A ordem de congelar os bens havia sido assinada pelo presidente Barack Obama na sexta-feira, em resposta à violenta repressão aos protestos.

De acordo com o correspondente da BBC em Washington Andrew North, agora que a maioria dos americanos foi retirada da Líbia, o governo Obama está intensificando a pressão contra Khadafi.

Outro sinal de mudança de postura seria, segundo North, o reposicionamento das forças americanas na região da líbia, anunciada nesta segunda-feira pelo Pentágono.

Os EUA têm presença militar extensa na região, com bases principalmente no sul da Itália.

Segundo o Pentágono, o reposicionamento “traz mais flexibilidade no momento em que decisões forem tomadas”.

Leia: Médico relata violentos confrontos perto da 3ª maior cidade líbia

Notícias relacionadas