Oriente médio

Grupo ocupa mansão de filho de Khadafi em Londres

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Ativistas ocuparam uma mansão em Londres que se acredita pertencer ao filho do líder líbio, Muamar Khadafi, para protestar contra a repressão aos protestos antigoverno na Líbia.

Um grupo autodenominado "Topple the Tyrants", algo como "Derrube os ditadores" tomou o casarão, avaliado em cerca de R$ 29 milhões (10,9 milhões de libras), e instalou um grande cartaz com o rosto de Khadafi e os dizeres "Fora da Líbia, Fora de Londres".

O grupo diz que permanecerá no imóvel até que a casa "seja devolvida ao povo líbio".

Um porta-voz da polícia disse que a corporação está "monitorando a situação", que está sendo tratada como a situação é um "assunto civil".

Grupo ocupa mansão em Londres

Mansão no norte de Londres é avaliada em mais de R$ 30 milhões

Ocupar um imóvel não é crime na Grã-Bretanha, a não ser que os invasores forcem a sua entrada.

O casarão fica na abastada e arborizada região de Hampstead Garden, no norte de Londres.

Acredita-se que o imóvel de estilo georgiano (vigente entre 1720 e 1840), de oito quartos e contando com uma piscina e sauna, pertença ao filho de Khadafi, Saif al-Islam.

"Saif Khadafi e o regime usurparam milhões, bilhões de libras do povo da Líbia e usaram em casas como esta", disse à BBC o porta-voz do grupo, Montgomery Jones.

"Tomamos o imóvel para que possa ser devolvido ao seu proprietário direito, o povo líbio."

Atiovistas no teto da casa

Ele descreveu o casarão como "um palácio de cinco andares, cheio de mármore, vidro e outros materiais caros". "Há TVs de tela plana em quase todas as salas", contou o ativista.

Na semana passada, o governo britânico congelou os bens do líder líbio e de sua família no país. Não foram divulgadas as cifras referentes ao congelamento, mas estima-se que os recursos bloqueados possam chegar a U$ 1 bilhão.

Porém, Jones disse que "não confiamos no governo britânico para apreender devidamente os bens do regime corrupto de Khadafi, por isso resolvemos agir".

Segundo o ativista, o imóvel é gerenciado pela família do líder líbio através de uma empresa registrada nas Ilhas Virgens.

"Manifestamos nossa solidariedade com o povo líbio", disse Jones. "E acolhemos os refugiados do conflito na Líbia e aqueles que fogem da tirania e da opressão em todo o mundo."

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.