Jornalistas da BBC são presos e torturados por forças de Khadafi

Image caption Killani (dir.) e Koraltan contaram que achavam que seriam executados

Três jornalistas da BBC foram presos e torturados por forças do líder líbio, Muamar Khadafi, quando tentavam entrar em Zawiya, no oeste do país, para cobrir os confrontos na cidade.

Eles foram encapuzados, algemados e agredidos por membros do Exército líbio e da polícia secreta. Também foram ameaçados de morte e submetidos a torturas que os faziam crer que seriam executados.

Chris Cobb-Smith, Goktay Koraltan e Feras Killani foram presos na segunda-feira e, após 21 horas detidos, foram soltos e já deixaram o país. Eles contaram que durante todo o tempo ouviam os gritos de outros prisioneiros sendo torturados ou agonizando.

Localizada a 50 quilômetros de Trípoli, Zawiya vem sendo palco de violentos confrontos entre forças pró-Khadafi e redeldes.

Leia mais na BBC Brasil: Governo retoma cidade a oeste de Trípoli, diz TV estatal líbia

“Eles nos colocaram em uma fila, olhando para a parede. Havia um homem sem farda, com uma submetralhadora. Ele apontava a arma para todo o mundo”, disse Cobb-Smith.

“Depois de gritar comigo, ele colocou a arma no meu pescoço e puxou o gatilho, duas vezes. As balas passaram perto do meu ouvido e os soldados riram. Foi muito assustador.”

Torturas

Killani, que tem origem palestina, foi agredido com socos, chutes e com as armas dos soldados.

“Logo que cheguei nesse centro de detenção, um homem me agrediu nas costas, usando sua Kalashinikov. Eu caí e ele me disse para colocar as mãos atrás da cabeça. E então, disparou a metralhadora. Achei que em poucos minutos eles iam me matar”, disse o jornalista. “Eu só fechei os olhos e pedi a meu Deus que me ajudasse.”

Ele conta ter sido acusado de ser um espião trabalhando para o serviço secreto britânico. Queriam saber por que eu estava carregando dólares e libras”, disse o jornalista, que foi espancado com socos, chutes e coronhadas.

“Simplesmente não consigo descrever o quanto foi horrível. A maior parte dos homens estava encapuzada e algemada. Eles tinham as mãos inchadas, costelas quebradas e gritavam, agonizando. Foi a pior coisa que já vi na minha vida e eu já vi muitas coisas horríveis.”

O terceiro membro da equipe, o câmera Goktay Koraltan, disse que ele tinha certeza que seria morto.

“Um cara negro me algemou e me encapuzou. Eu ouvia muitos tiros. Achava que eles estavam se preparando para nos matar, achava que seria executado a qualquer momento.”

Notícias relacionadas