japão

Polícia do Japão encontra pelo menos 200 corpos após terremoto

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

A polícia japonesa disse nesta sexta-feira ter encontrado entre 200 e 300 corpos na cidade de Sendai, na costa leste do Japão, após o terremoto seguido de tsunami que atingiu o país.

Oficialmente, a polícia informou que o número de mortes em decorrência do terremoto chegou a 142, e 531 estariam desaparecidos, de acordo com rede de TV pública japonesa NHK.

Sendai é uma das cidades mais próximas do epicentro do sismo, que teve magnitude 8,9 pela medição da Agência Geológica americana (USGS, na sigla em inglês) e foi o mais forte já registrado no Japão.

Clique Clique aqui para ver uma mapa da região afetada pelo terremoto no Japão

Regiões agrícolas próximas à cidade, capital da Província de Miyagi, também foram inundadas pelas ondas de até sete metros que se seguiram ao terremoto. Incêndios aconteceram em diversas áreas em consequência do tremor e das mais de 50 réplicas, de magnitude inferior a 6.

O ministro japonês Yukio Edano, secretário de imprensa do governo, pediu que a população se prepare para mais tremores secundários intensos.

O terremoto, que ocorreu por volta das 15h (horário local do Japão, 3h da manhã em Brasília), foi o sétimo mais forte já registrado em todo o mundo, de acordo com a USGS.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Emergência

O epicentro do abalo foi no fundo do mar, a uma distância de 160 quilômetros da costa, no mesmo local onde ocorreu um terremoto de 7,3 graus na última quarta-feira. A costa próxima à Província de Miyagi, a 373 quilômetros de Tóquio, foi a mais afetada pelo tremor.

Segundo informações divulgadas pela imprensa japonesa, um barco com cerca de 100 pessoas a bordo foi arrastado pelas ondas gigantes e está desaparecido.

O governo japonês decretou estado de emergência na usina nuclear da província de Fukushima, 270 quilômetros a nordeste de Tóquio, depois que o sistema de resfriamento da usina falhou.

O governo pediu que cerca de 3 mil pessoas que vivem perto da usina deixem o local. Segundo oficiais, nenhum vazamento de radiação foi detectado.

Também em Fukushima, uma represa rompeu, inundando centenas de casas, segundo a agência de notícias japonesa Kyodo.

O sistema de metrô de Tóquio parou de funcionar e 903 voos domésticos foram cancelados. Cerca de 8,4 milhões de casas estão sem energia elétrica no nordeste do país.

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, montou um centro de emergência e enviou forças de defesa para resgatar sobreviventes.

“Nosso governo fará todos os esforços possíveis para assegurar a integridade e segurança das pessoas e também minimizar os estragos causados pelo terremoto”, disse o premiê à imprensa japonesa.

Kan também pediu às pessoas para ficarem calmas e se manterem informadas sobre os efeitos dos terremotos e do tsunami.

Ainda segundo a agência Kyodo, o Ministério da Defesa japonês destacou 300 aviões e 40 navios para prestar assistência aos afetados pela catástrofe.

Reações

Também nesta sexta-feira, a secretária de Estado americana Hillary Clinton lamentou as perdas em conseqüência do terremoto no Japão e disse que os Estados Unidos estão “monitorando de perto os tsunamis que podem afetar outras partes do mundo”.

Clinton disse ainda que os Estados Unidos ofereceram ajuda imediata para diminuir os efeitos do desastre.

“Os Estados Unidos são um amigo e aliado do Japão, e estamos comprometidos em ajudar o Japão se recuperar”, disse.

Horas antes, segundo autoridades japonesas, o presidente americano Barack Obama falou por telefone com o premiê Naoto Kan sobre a tragédia.

Tsunami atinge a cidade de Iwaki

Tremor seguido de tsunami foi o mais forte a atingir o Japão

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que a comunidade internacional fará “tudo e qualquer coisa” para ajudar o Japão após o terremoto.

O governo brasileiro também manifestou solidariedade e condolências ao povo japonês em comunicado. Segundo o Itamaraty, ainda não há notícia de mortos ou feridos brasileiros.

Em Bruxelas, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse que o terremoto é "uma lembrança terrível do poder destrutivo da natureza".

A Rainha Elizabeth 2ª também enviou uma mensagem de simpatia ao povo do Japão. De acordo com o Palácio de Buckingham, ela expressou ao imperador Akihito sua tristeza com a “trágica perda de vidas”.

O presidente francês Nicholas Sarkozy disse à imprensa que, nas próximas horas, o governo da França deve discutir o envio de equipes de resgate auxiliares ao Japão.

Alerta

A Agência Meteorológica do Japão emitiu alerta de tsunami para ondas de até 10 metros em toda a costa do Oceano Pacífico, , incluindo a costa da Rússia, a América do Sul, o Estado americano do Havaí e a costa oeste dos Estados Unidos.

Autoridades das Filipinas e já autorizaram a evacuação de comunidades costeiras no norte e no leste do país. A Indonésia também alertou para um possível tsunami na região norte.

Clique Leia mais na BBC Brasil: Temendo tsunami, Equador e Chile retiram moradores da costa

Em 1933, um terremoto de magnitude 8,1 atingiu a região metropolitana de Tóquio e matou mais de 3 mil pessoas.

Os tremores de terra são comuns no Japão, um dos países com mais atividades sísmicas do mundo, já que está localizado no chamado "anel de fogo do Pacífico".

O país é atingido por cerca de 20% de todos os terremotos de magnitude superior a 6 que acontecem no mundo.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.