Grã-Bretanha veta imigração de cozinheiros de fast-food

Direito de imagem BBC World Service
Image caption A Grã-Bretanha quer reduzir seu número de imigrantes

O governo britânico informou nesta segunda-feira que pessoas de fora do Espaço Econômico Europeu não vão mais poder imigrar para a Grã-Bretanha como cozinheiros em restaurantes de fast-food ou de entregas.

Os cozinheiros ou chefes de cozinha devem agora ter qualificações equivalentes às de ensino superior, um mínimo de cinco anos de experiência em posição similar e precisam comprovar que vão ganhar um salário anual superior a 28.260 libras (mais de R$ 76 mil), excetuando os custos de acomodação e alimentação.

Restrições similares devem ser aplicadas a partir de abril a categorias como cabelereiros, gerentes de salões de beleza e corretores de imóveis.

Ovelhas

As novas regras foram anunciadas após o governo ter revisado as necessidades de mão de obra especializada do país.

A Grã-Bretanha estipulou em 21.700 o teto anual para o número de migrantes profissionalmente qualificados de fora do Espaço Econômico Europeu (EEE).

O governo havia anunciado que apenas candidatos com ensino superior vindos de fora do EEE poderiam tentar se qualificar para migrar para o país.

Agora, diminuiu a lista de empregos onde há falta de profissionais qualificados para oito categorias, incluindo cuidadores de idosos, tosquiadores de ovelhas e soldadores de tubos.

O governo britânico deseja reduzir o número de imigrantes que entram no país de 200 mil por ano para algumas dezenas de milhares até 2015.

A EEE soma os países da União Europeia com a Associação Europeia de Livre Comércio.

Notícias relacionadas