Desalojados esperam orientação do governo para voltar para casa

A senhora Matsuda (direita) puxa conversas animadas com as amigas, para se distrair. Foto: Ewerthon Tobace Direito de imagem BBC World Service
Image caption A senhora Matsuda (direita) puxa conversas animadas com as amigas

Apesar do caos que toma conta da cidade japonesa de Sendai, a mais afetada pelo grande terremoto da última sexta-feira, seus moradores e os de localidades vizinhas tentam levar uma vida normal enquanto esperam o sinal verde do governo para voltar para suas casas.

As escolas e ginásios públicos se transformaram em abrigos seguros para quem teve a moradia comprometida pelo tremor.

A senhora Matsuda, de 70 anos, passa o dia caminhando em volta da escola e fazendo origami.

"Temos de nos exercitar e também ocupar a mente. Não podemos ficar só pensando em coisas tristes", afirma.

Ela puxa conversas animadas com duas outras senhoras, todas viúvas morando sozinhas.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Rie (esquerda): ficar no abrigo é a melhor opção

"Caiu muita coisa em casa e há cacos de vidro por toda parte. Estou preparada para ficar aqui no abrigo por muito tempo, até dizerem que posso voltar para casa", disse à BBC Brasil.

Rie Takano, sua filha, e seu marido também se alojaram em um dos diversos abrigos montados pelo governo local. Levaram muita roupa de frio, alguns objetos de cozinha e colchonetes para forrar o chão frio.

"A melhor opção é ficar aqui no abrigo, que nos fornece comida e água. Em casa há o perigo de o prédio desabar, caso ocorra outro tremor", disse a japonesa.

Educação e solidariedade

O caos poderia ser pior se não fosse a cultura dos moradores locais, que fazem fila e aguardam pacientemente por sua vez, seja para fazer compras, abastecer o carro ou simplesmente obter um bolinho de arroz.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Eiko (de amarelo) e outros voluntários ajudam na organização

Mesmo abalados, muitos ainda têm força para ajudar outros desabrigados, cuidando da organização dos abrigos e dividindo-se em tarefas de limpeza, preparação de comida, recepção de desalojados e distribuição de doações.

A voluntária Eiko Sato contou à BBC Brasil que, na sexta-feira, dia do terremoto, sua primeira atitude foi sair pelo bairro para ver se todos estavam bem.

Depois, foi correndo para a escola primária do bairro, pois ela é a chefe dos voluntários, tarefa para a qual foi treinada durante anos.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Escolas e ginásios públicos se transformaram em abrigos seguros

No Japão, é comum haver treinamentos, pelo menos duas vezes ao ano, para que as pessoas saibam se proteger em casos de terremoto e outros desastres naturais.

Os voluntários aprendem ainda como preparar alimentos sem utilizar gás ou energia elétrica, além de outros truques para economizar o máximo possível, como utilizar água da piscina para as descargas dos banheiros.

"Nem tive tempo de voltar para casa ainda. Há muito serviço e precisamos ajudar a todos", disse. A escola em que Eiko está trabalhando recebe em média 800 pessoas por noite. "Todos temos de fazer nossa parte."

Notícias relacionadas