Ministros do G8 pedem que ONU aumente pressão sobre Khadafi

Miliciano pró-Khadafi exibe um rifle Direito de imagem Reuters (audio)
Image caption Não há consenso sobre bloqueio aéreo que impediria ataque a rebeldes

Os ministros das Relações Exteriores dos países do G8 (o grupo dos sete países mais ricos do mundo e mais a Rússia) reunidos em Paris pediram que a ONU adote medidas para aumentar a pressão sobre o líder da Líbia, Muamar Khadafi.

A informação foi dada pelo ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, ao final do encontro. ''Nós concordamos em pedir ao Conselho de Segurança (da ONU) que aumente a pressão sobre o coronel Khadafi."

No comunicado final da reunião, os ministros pediram que Khadafi respeite ''os direitos legítimos do povo líbio no que diz respeito a seus direitos fundamentais, liberdade de expressão e a formação de uma forma representativa de governo'' e advertiram que ''uma recusa pode acarretar em trágicas consequências''.

O documento afirma ainda que ''o Conselho de Segurança (CS) deve aumentar a presssão para estimular Muamar Khadafi a abdicar do poder, até mesmo pela pressão econômica''.

Mas o comunicado não fez qualquer menção à proposta de imposição de um bloqueio aéreo sobre a Líbia - que visaria impedir as forças leais a Khadafi de fazer ataques áereos contra tropas rebeldes - ou a uma ação militar contra o líder líbio. Isso porque não houve consenso, no G8, sobre a implementação de tais ações.

Divergências

A criação de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia é defendida pela Grã-Bretanha e pela França, mas Estados Unidos, Alemanha, Rússia e China são cautelosos em relação à proposta.

Por sua vez, os países que compõem a Liga Árabe concordaram em criar um bloqueio aéreo sobre o país, mas rejeitam a intervenção na Líbia.

Uma alta fonte diplomática da ONU disse à BBC que uma resolução sobre a Líbia deverá ser apresentada ao Conselho de Segurança nesta terça-feira. O documento seria dividido em duas partes. A primeira listaria o que a Liga Árabe espera de um plano de exclusão aérea e seria apresentada pelo Líbano. O segundo item do documento listaria medidas pelas quais a comunidade internacional vem pressionando, como a imposição de sanções e ações contra mercenários vindos de outros países que estariam sendo contratados pelo regime de Khadafi.

Na prática, isso colocaria o ônus em adotar o bloqueio aéreo sobre os países árabes - uma forma de superar os impasses sobre o tema entre os países que integram o CS.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Milhares de líbios continuam tentando escapar da violência

Também em Paris, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, reuniu-se com um líder da oposição líbia, Mahmoud Jibril, e discutiu formas de amparo ao país além da ajuda humanitária.

No front econômico, a Agência Internacional de Energia relatou que a produção petrolífera da Líbia está praticamente interrompida.

Enquanto isso, milhares de refugiados continuam tentando escapar da violência na Líbia pelas fronteiras com a Tunísia.

Notícias relacionadas