Protestos no Iêmen deixam pelo menos 120 feridos

Protesto em Sanaa, 16 de março/AP Direito de imagem BBC World Service
Image caption Pelo menos 30 pessoas já morreram nos protestos do Iêmen

Pelo menos 120 pessoas ficaram feridas durante manifestações contra o governo do Iêmen ocorridas nesta quarta-feira na cidade de Hudaida, no oeste do país.

A polícia abriu fogo e usou gás lacrimogênio após grupos simpatizantes do governo terem atacado com pedras e bastões manifestantes, de acordo com testemunhas.

Ocorreram protestos nesta quarta-feira também na capital, Sanaa.

Oposicionistas exigem a saída do presidente Ali Abdullah Saleh, há 32 anos no poder.

Histórico

O Iêmen é mais um país do Oriente Médio a enfrentar manifestações políticas após levantes populares terem derrubado os governos na Tunísia e no Egito. Pelo menos 30 pessoas já morreram desde o início dos protestos no Iêmen, há um mês.

Além da renúncia do presidente, os manifestantes pedem mais oportunidades de emprego e o fim da corrupção.

Saleh propôs adotar reformas políticas no país, incluindo a separação dos poderes de governo e a adoção de um sistema parlamentarista. A oposição, no entanto, não aceitou dialogar com o presidente.

Saleh, que está no poder desde 1978, disse anteriormente que pretende deixar a Presidência a partir de 2013.

A república iemenita foi criada depois que o Iêmen do Norte e o Iêmen do Sul se juntaram em 1990. Saleh liderava a República Árabe do Iêmen, no norte do país, desde 1978, quando assumiu o poder depois de um golpe militar.

As primeiras eleições presidenciais diretas ocorreram apenas em 1999.

Apesar de ser, na teoria, um sistema multipartidário, a política do Iêmen é dominada pelo partido de Saleh, o Congresso Geral do Povo, desde a unificação.

Opositores iemenitas vêm protestando desde fevereiro, inspirados pelas revoltas em países vizinhos.

Notícias relacionadas