China

China prende artista aclamado e mantém silêncio sobre seu paradeiro

Ai Weiwei

Ai Weiwei já havia sido posto em prisão domiciliar no ano passado

O artista plástico chinês Ai Weiwei, reconhecido internacionalmente, estaria desaparecido há mais de 24 horas após ser detido no aeroporto de Pequim.

Ele teria sido interpelado na manhã do domingo, quando passava pela segurança do aeroporto, antes de embarcar em um voo para Hong Kong.

Ninguém mais teve notícias dele desde então. As autoridades chinesas não comentaram o assunto.

Poucas horas após sua detenção, o estúdio do artista em Pequim foi invadido por mais de 40 policiais. Dezenas de itens foram confiscados e funcionários foram interrogados..

Ai Weiwei, de 53 anos, vem se tornando um dos mais eloquentes críticos do regime chinês, principalmente sobre a falta de respeito aos direitos humanos.

O artista viajava com uma assistente, Jennifer Ng. Os documentos de ambos foram checados e apenas Ng pôde seguir viagem a Hong Kong.

Ela disse à BBC que o artista foi levado por guardas de fronteira.

“Eu voltei para checar com os seguranças e eles disseram: ‘Ele tem outros negócios – você pode seguir sozinha no voo’”, disse.

Conotações políticas

A obra de Ai Weiwei na Tate Modern, em Londres

A obra de Ai Weiwei é reconhecida em todo o mundo. Ele ajudou a desenhar o estádio olímpico de Pequim, usado nos Jogos de 2008, que ficou conhecido como ‘Ninho do Pássaro’.

Ele atualmente faz uma exposição na galeria Tate Modern, em Londres, com uma obra composta por mais de 100 milhões de peças de porcelana moldadas na forma de sementes de girassol.

O artista também vem se tornando um crítico contumaz do governo chinês.

Algumas de suas obras têm conotações políticas. Ele tentou, por exemplo, reunir todos os nomes de estudantes mortos durante o terremoto de Sichuan, de 2008.

Esse é um tema sensível, porque muitas escolas desabaram com o terremoto, levando a acusações de que elas haviam sido construídas de maneira inadequada.

O governo chinês não comenta a questão e já prendeu ativistas que questionam a segurança das escolas.

Ai Weiwei também deu seu apoio a outros ativistas que enfrentaram as autoridades chinesas.

No final do ano passado, ele compareceu a um tribunal em Pequim ao lado do artista Wu Yuren, que seria julgado.

Ele aproveitou a oportunidade para falar à mídia estrangeira, criticando o governo pelo que considera uma falta de direitos básicos e liberdades na China.

No ano passado, o artista foi proibido de viajar ao exterior e colocado brevemente sob prisão domiciliar.

Segundo Jennifer Ng, ele é mantido sobre vigilância constante e teria sido visitado por policiais em seu estúdio três vezes recentemente.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.