Atirador buscava 'cobertura da mídia' e 'comoção', diz pesquisadora

Paramédicos removem o corpo do atirador da escola. Direito de imagem AFP
Image caption Pesquisadora diz que atirador queria provocar comoção na sociedade

O responsável pelo ataque que matou ao menos onze pessoas em uma escola municipal no Rio de Janeiro nesta quinta-feira buscava, com o ato, “gerar grande comoção”, na opinião da cientista social Silvia Ramos, pesquisadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes.

Para a pesquisadora, o episódio teve uma "produção midiática, de alguém que planejou uma morte espetacular, com ampla cobertura da mídia".

“Ele produziu uma chacina para gerar uma grande comoção", afirmou.

Nesta quinta-feira, o atirador Wellington Menezes de Oliveira disparou contra alunos da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, de onde fora aluno, e depois cometeu suicídio. Pelo menos 11 pessoas foram mortas.

‘Imitação’

Na opinião de Silvia Ramos, o incidente no Rio de Janeiro tem um “caráter imitativo muito evidente” em relação a episódios ocorridos nos Estados Unidos.

“Vários ingredientes foram copiados quase que perfeitamente, como o cara escolher uma escola, entrar atirando aleatoriamente numa sala de aula, deixar uma carta suicida”, disse.

Tais ingredientes, para a pesquisadora, remetem diretamente a atos similares que tiveram grande repercussão nos Estados Unidos, como os assassinatos de 12 alunos e um professor na escola de Columbine, no Colorado, cometidos por dois alunos da instituição em 1999.

De acordo com a socióloga, o fato de Wellington Menezes ter realizado o crime em uma escola, onde a “inocência total” está simbolizada e as crianças estão indefesas, aumenta o choque da população, assim como o fato de o alvo primordial ter sido meninas, que representam pelo menos dez dos mortos.

“Isso aumenta o caráter de covardia, o sentimento de impotência. É muito chocante e produz um sentimento de indignação muito forte”, diz Ramos.

De acordo com a cientista social, a perplexidade é mais forte porque o Brasil não tem histórico de episódios desse tipo com esta dimensão.

“É muito surpreendente pelo formato, não faz parte da nossa cultura”, disse.

Ela diz que, apesar de o Brasil ter a sexta maior taxa de homicídios do mundo, os crimes costumam ser associados a dinâmicas interpessoais ou do crime organizado.

"Neste caso, o crime parece dialogar com o mundo midiático."

“O Brasil parou, o governador parou, o nome dele vai ser falado, a foto vai sair em todos os jornais. O episódio é um ato de grande repercussão, e nesse sentido tem um caráter terrorista. Amanhã todos os pais que têm filhos em escolas vão estar aterrorizados", disse a pesquisadora.

Notícias relacionadas