Sem acordo sobre orçamento, Casa Branca tenta evitar que governo pare

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Obama afirmou que os trabalhos iriam continuar ao longo da madrugada

Depois de uma reunião de mais de uma hora na Casa Branca, na noite desta quinta-feira, o presidente americano, Barack Obama, e os líderes da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, e do Senado, o democrata Harry Reid, não conseguiram chegar a um acordo sobre um projeto de orçamento para os Estados Unidos.

Logo após o encontro, Obama disse que houve "alguns progressos", mas divergências ainda permanecem, e que os trabalhos iriam continuar ao longo da madrugada. "Ainda não estou pronto para expressar otimismo eufórico", disse o presidente, em um breve pronunciamento transmitido ao vivo pela TV.

Obama disse esperar uma resposta na manhã desta sexta-feira. "Espero poder anunciar ao povo americano pela manhã que um acordo foi fechado. Não há certeza ainda", disse.

As operações do governo americano vêm sendo financiadas por medidas temporárias desde 1º de outubro do ano passado. A atual expira à meia-noite desta sexta-feira. Caso democratas e republicanos não cheguem a um acordo até esse horário, diversos serviços do governo considerados não-essenciais terão de parar de operar e cerca de 800 mil funcionários serão mandados para casa sem receber pagamento.

Divergências

O principal ponto de discórdia entre democratas e republicanos é em relação ao tamanho dos cortes necessários para reduzir o déficit orçamentário dos Estados Unidos, de US$ 1,4 trilhão (cerca de R$ 2,23 trilhões).

Os democratas (partido de Obama) aceitaram cortar mais de US$ 33 bilhões (cerca de R$ 52,5 bilhões), mas ainda enfrentam resistência da oposição republicana, que pede cortes de mais de US$ 60 bilhões (cerca de R$ 95,5 bilhões) sobre os gastos do ano passado até o fim do ano fiscal, em 30 de setembro.

Os republicanos, que controlam a Câmara dos Representantes (deputados federais), chegaram a aprovar uma nova medida temporária para financiar o governo, com previsão de cortes de US$ 12 bilhões (cerca de R$ 19 bilhões) nos gastos em uma semana.

Obama, porém, disse que o governo americano não pode mais continuar operando na base de medidas aprovadas semana a semana, e afirmou que iria vetar o projeto republicano.

Antes de chegar à mesa do presidente, a lei teria de ser aprovada pelo Senado, comandado pelos democratas, que também anunciaram a disposição de rejeitá-la.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet