Atirador mata ao menos 11 pessoas em escola no Rio

Reprodução Direito de imagem Reuters (audio)
Image caption O incidente ocorreu por volta de 8h da manhã na zona oeste do Rio

Um homem matou pelo menos 11 pessoas a tiros em uma escola municipal no bairro de Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro, na manhã desta quinta-feira. O atirador se suicidou em seguida.

O incidente ocorreu por volta de 8h da manhã na Escola Municipal Tasso da Silveira. A escola tem 400 alunos, entre 9 e 14 anos de idade.

De acordo com as autoridades, além dos 11 mortos, outras 13 pessoas teriam sido feridas.

O secretário de Saúde do Estado do Rio, Sérgio Cortes, confirmou que dez meninas e um menino morreram.

Entre os feridos, muitos estariam em estado grave.

De acordo com informações da Polícia Militar, o atirador é Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, um ex-aluno da escola.

Carta

O coronel Djalma Beltrami, comandante do 14° batalhão de Bangu, responsável pelas operações policiais na região, disse que Wellington chegou calmamente à escola e conversou com professores, se apresentando como palestrante. Ele então começou a atirar.

Beltrami também confirmou ao canal de TV Globonews que Wellington deixou uma carta de despedida, segundo ele, “ilógica”, com teor "fundamentalista" e "várias frases desconexas".

O porta-voz da Polícia Militar, coronel Ibis Pereira, disse à rádio Estadão ESPN que a carta não tinha "nenhum sentido", contendo "palavras que não guardam nenhuma relação lógica, mas que sinalizam um desvio profundo de personalidade e uma demência religiosa."

Pereira disse que o homem entrou na escola "fortemente municiado", portando duas armas, uma de calibre 38 e outra de calibre 32, além de diversos recarregadores, e estava "determinado a fazer uma grande matança".

O porta-voz confirmou que, depois de ser atingido por um tiro dos policiais, Wellington cometeu suicídio usando uma de suas pistolas.

O corpo do atirador já foi retirado da escola e encaminhado ao Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro.

Disparos

Em entrevista coletiva, o sargento Márcio Alves, primeiro a entrar na escola durante o ataque, disse que participava de uma operação perto da escola quando um garoto ferido pediu socorro.

Ao entrar na escola, o sargento disse ter visto Menezes saindo de uma sala em direção ao terceiro andar da escola.

O policial afirmou ter então atirado no homem, que caiu e, em seguida, deu um tiro em sua própria cabeça.

Uma funcionária da escola disse à rádio BandNews que Wellington Menezes disparou cerca de cem tiros contra os alunos.

"Parecia que a escola estava caindo, parecia bomba. Uma professora saiu gritando, dizendo que tinha um homem atirando, mas ninguém acreditou. Depois saímos correndo. Foram de 50 a cem tiros, nunca vi coisa igual."

A mulher disse ainda que funcionários e alunos conseguiram sair pela garagem da escola e buscaram refúgio na casa de vizinhos.

O diretor da escola municipal disse à rádio CBN que Wellington Menezes havia visitado a escola há pouco tempo e conversado com professores.

Notícias relacionadas