Cinco coisas que sabemos e cinco que não sabemos, sobre o casamento real

Preparativos frenéticos estão em andamento para o casamento do príncipe William com Kate Middleton - mas muito pouco é dito pelos responsáveis pela festa. Aqui, o especialista da BBC em realeza Peter Hunt oferece um guia para iniciantes sobre o que está confirmado, e o que ainda pertence ao reino da imaginação sobre o casamento.

O que se sabe ao certo e o que não se sabe? E é possível adivinhar alguma coisa a respeito de casamentos reais?

Cinco coisas que sabemos sobre o casamento...

Quando e onde

A data, sexta-feira 29 de abril, está na agenda dos interessados e daqueles que não têm o menor interesse no casamento real - e que pensam na miríade de formas de explorar o feriado.

A missa

O casal fez de tudo para não incomodar a hierarquia da Igreja Anglicana. O diácono de Westminster conduzirá a missa; o arcebispo da Cantuária casará William e Kate; o bispo de Londres, Richard Chartres, fará o sermão. Ele é um orador experiente, e amigo do príncipe Charles e de seu filho. No serviço fúnebre para marcar o aniversário da morte da princesa Diana, o bispo fez o chamado: "Vamos terminar aqui. Que esta missa marque o ponto em que deixamos ela descansar em paz".

Quem dá as ordens?

William e Kate, de acordo com aqueles que trabalham para eles. O desafio é organizar um casamento que seja digno de um futuro rei, que não tropece no cerimonial, mas que seja discreto, em tempos de austeridade.

Quem paga a conta?

Como nação evoluímos em relação aos casamentos de contos de fada do passado, e este acontecerá em um momento de austeridade econômica. Portanto, os Windsors e os milionários Middleton arcarão com grande parte dos custos. No entanto, o contribuinte pagará a cara - mas nunca divulgada - conta da segurança.

Que presentes dar ao casal?

Esqueça a torradeira, o saleiro e as toalhas. Doações a instituições de caridade selecionadas são uma opção sendo explorada. Isso pouparia o casal do desafio de agradecer àqueles que dessem presentes mais incomuns. Em 1947, a avó de William recebeu um peru de uma mulher do Brooklyn, que achava que a então princesa - que vivia em um país pós-guerra - não tinha muito para comer.

...e cinco que não sabemos

A lista de convidados

Escolheros amigos mais próximos não vai ser fácil. Suas famílias obviamente estão incluídas. Líderes mundiais só devem entrar na Abadia de Westminster se tiverem alguma ligação com o casal. O premiê da Nova Zelândia pode estar lá, mas não os presidentes Obama e Sarkozy.

O vestido

O modelo e o designer devem ser mantidos em segredo até o dia do casamento. Alguns assessores da família real acham que mesmo com toda segurança vai haver vazamento de informação. A abordagem pragmática, dizem, seria revelar o nome do estilista antes, sem dizer nada sobre o vestido. Minha contribuição para esse debate é que o vestido será branco.

Como se dirigir a Kate?

A curto prazo, é fácil. A noiva de William é tranquila e não se importa que a chamem de Kate ou Catherine. Se a tradição for seguida, William pode ser transformado em duque pela avó, e sua mulher seria duquesa.

Padrinho

Quando se pertence à realeza, você não tem um padrinho, tem um apoiador, e pode ter mais de um. Seria estranho se o príncipe Harry não assumisse o papel. Os irmãos têm uma relação próxima - algo que não pode ser dito de outros irmãos da realeza. Quando George IV se casou com Caroline de Brunswick teve que literalmente ser levado até o altar, porque tinha bebido mais do que suas doses usuais de brandy, para se acalmar.

O futuro

William tem um destino a cumprir e um emprego como piloto da Força Aérea Britânica. Ela terá que conquistar seu papel como membro senior da realeza, e achar algumas causas de caridade para representar.