áfrica

Novo líder marfinense anuncia que antecessor será levado à Justiça

Alassane Ouattara

Ouattara disse que irá garantir a segurança de Gbagbo e sua família

O presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, disse nesta segunda-feira que determinou ao ministro da Justiça a abertura de processos contra o antecessor, Laurent Gbagbo - que foi capturado horas antes na maior cidade do país, Abidjan -, além de sua mulher e aliados.

Gbagbo se entregou após uma investida militar na residência presidencial na cidade. Ele vinha se negando a entregar o poder a Ouattara por não aceitar o resultado da eleição presidencial de novembro, e essa recusa gerou uma grave crise no país, com confrontos entre simpatizantes de Ouattara e Gbagbo.

Em um pronunciamento na TV do país, Ouattara afirmou que Gbagbo, sua mulher e seus "colaboradores" serão investigados por autoridades judiciais marfinenses, mas que todas as medidas serão adotadas para garantir a integridade física de Gbagbo.

Ele anunciou também que uma comissão de verdade e reconciliação será formada para documentar os crimes e violações contra os direitos humanos que ocorreram nos últimos meses.

Ouattara disse que o país acabara de virar uma página dolorida de sua história, mas que agora entrava em uma nova era e fez apelo para que os marfinenses "evitem represálias e violência".

Obama e Ban Ki-moon

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que a prisão de Gbagbo colocou fim a meses de conflito desnecessário e reiterou o apoio da organização ao novo governo.

Por sua vez, o presidente americano, Barack Obama, deu "as boas-vinda aos acontecimentos decisivos na Costa do Marfim, na medida em que o pleito ilegítimo do presidente Laurent Gbagbo pelo poder finalmente chegou ao fim".

"Hoje, o povo da Costa do Marfim tem a chance de começar a recuperar seu país, solidificar sua democracia e reconstruir uma vibrante economia", disse Obama.

Horas antes, uma mensagem de Gbagbo, pedindo o fim dos confrontos no país, foi veiculada em um canal de TV marfinense leal a Ouattara, depois de Gbagbo ter sido colocado sob a custódia de soldados da ONU.

Na mensagem, Gbagbo disse que espera que os conflitos possam parar e que se possa “passar para a parte civilizada da crise, e que ela chegue ao fim rapidamente para que o país possa voltar ao normal".

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Tocar com outro programa

Captura

No início da manhã, forças leais a Ouattara e tanques franceses avançaram para ofensiva na residência presidencial, onde Gbagbo estava escondido em um bunker subterrâneo.

Um de seus conselheiros disse que a prisão foi feita por forças especiais francesas, mas o porta-voz da missão da ONU na Costa do Marfim, Amadoune Touré, disse que foram os homens de Ouattara que capturaram Gbagbo e sua esposa, Simone.

O chefe da missão de paz da ONU na Costa do Marfim, Alain Le Roy, disse que Laurent Gbagbo e sua família estão sob a guarda dos soldados da ONU no hotel Golf, onde fica a sede de operações de Alassane Ouattara.

A rendição do líder marfinense acontece após um dia de conflitos entre as forças leais a ele e os partidários de Ouattara na região da residência presidencial em Abidjan, que também era alvo de tanques franceses e helicópteros.

De acordo com o porta-voz de Gbagbo na Costa do Marfim, Ahoua Don Mello, o líder finalmente "saiu de seu bunker e se rendeu aos franceses sem oferecer resistência".

Um conselheiro especial de Gbagbo, Bernard Houdin, disse à TV francesa que seu líder jamais teria sido capturado sem a ajuda da França.

Mas diplomatas franceses negaram que suas forças tenham capturado o ex-presidente, insistindo que ele se rendeu às forças de Ouattara.

Centenas de pessoas se reuniram no centro de Bouake, a segunda maior cidade do país, para celebrar a queda de Laurent Gbagbo, segundo o correspondente da BBC John James.

De acordo com James, jovens buzinavam e mulheres dançavam e cantavam em uma alameda central.

Clique Entenda a crise na Costa do Marfim

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.