Rápido aumento de crédito deixa Brasil 'vulnerável', diz FMI

Vitrine de loja oferencendo roupa a prazo (Foto: Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Para FMI, crédito pode ser tentador, mas traz riscos

A aceleração do crescimento do crédito em países emergentes, como o Brasil, aumenta a vulnerabilidade e o risco de superaquecimento na economia, diz um relatório divulgado nesta quarta-feira pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Segundo o último Relatório sobre a Estabilidade Financeira Global (Global Financial Stability Report), lançado em Washington, de 2007 a 2010 os empréstimos bancários em economias emergentes, especialmente na América Latina e na Ásia, cresceram em um ritmo mais forte do que nos cinco anos anteriores à crise financeira mundial.

"Bancos maiores, especialmente bancos públicos na China e no Brasil, foram os principais responsáveis pelo forte aumento no crédito", diz o documento.

De acordo com o FMI, os principais bancos no Brasil e na China expandiram seus balanços patrimoniais em mais de 100% no período de 2007 a 2010, "atingindo tamanho comparável ao de grandes bancos nos Estados Unidos e na Europa".

O crescimento acelerado do crédito, diz o relatório, trouxe consigo um aumento da vulnerabilidade dos bancos e dos riscos de deterioração na qualidade do crédito.

Inflação

Como facilita o consumo e, assim, o risco de aumento da inflação, o crescimento acelerado do crédito tem sido uma preocupação do governo brasileiro.

Uma série de medidas foram adotadas no Brasil desde o ano passado na tentativa de conter esse crescimento. Apesar dos esforços, dados do próprio Banco Central indicam que o crédito continua crescendo no país.

O FMI volta a alertar para as pressões inflacionárias em países emergentes que, como o Brasil, registraram crescimento "vigoroso" após a crise mundial, ao contrário do rimo lento apresentado pelas economias avançadas.

Segundo o documento, esse bom desempenho veio acompanhado de maiores entradas de investimentos em carteira que estão exercendo pressão sobre alguns mercados financeiros emergentes e podem contribuir para o surgimento de bolhas nos preços dos ativos e pressões inflacionárias.

Fluxo de capitais

Direito de imagem Reuters
Image caption País tem tomado medidas para conter fluxo de recursos externos

Outro problema enfrentado pelos emergentes e também já citado em relatórios divulgados pelo FMI ao longo das duas últimas semanas é o grande fluxo de capitais para esses mercados verificado após a crise mundial.

O relatório cita medidas adotadas pelo Brasil para tentar conter esse fluxo excessivo – que provoca a valorização do real frente ao dólar e acaba reduzindo a competitividade das exportações brasileiras.

"O Brasil foi um dos primeiros mercados emergentes a aumentar impostos sobre investimentos estrangeiros de renda fixa", diz o documento, ao citar as medidas relacionadas ao IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Em uma tentativa de conter a entrada excessiva de capital estrangeiro, o governo brasileiro elevou duas vezes no ano passado, para 6%, o IOF sobre aplicações de estrangeiros no mercado de renda fixa.

O Fundo já havia observado, porém, em relatório divulgado na semana passada, que as medidas adotadas pelo Brasil não tiveram efeito de longo prazo sobre a taxa de câmbio e que o real permanece "sobrevalorizado".

Riscos

O novo relatório é divulgado às vésperas da reunião de primavera do FMI e do Banco Mundial, que começa na sexta-feira, em Washington, e terá a presença do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

De acordo com o FMI, os ritmos distintos na recuperação econômica pós-crise, mais vigorosa nos países emergentes e ainda lenta nas economias avançadas, trazem desafios igualmente distintos para os países.

Se os emergentes têm de lidar com desafios derivados da forte demanda interna, rápido crescimento do crédito e grande fluxo de capitais, nas economias avançadas os principais problemas são o alto nível de dívida dos governos e a saúde ainda frágil de instituições financeiras.

O FMI também alerta para riscos geopolíticos que podem "colocar em perigo as perspectivas econômicas e financeiras". Entre esses fatores estão altas bruscas nos preços do petróleo, em meio a temores de interrupção do fornecimento no Oriente Médio e no norte da África – onde diversos países produtores enfrentam crises internas e revoltas populares.

Estados Unidos

Image caption EUA ainda sofrem com efeitos do crédito ruim no mercado imobiliário

Para as economias avançadas, o FMI recomenda foco em "menos suporte e mais saneamento" do sistema financeiro, para reestabelecer a "disciplina do mercado".

Ao citar especificamente os Estados Unidos, o relatório diz que os problemas no mercado imobiliário – origem da crise financeira mundial – seguem pressionando o sistema bancário do país.

"O mercado imobiliário ainda fraco, problemas hipotecários e o acúmulo de execuções hipotecárias seguem exercendo pressão sobre o sistema bancário, o que limita a geração de crédito e complica o retorno a um mercado hipotecário em pleno funcionamento", diz o texto.

O FMI afirma que em países cujos sistemas bancários ainda enfrentam problemas é preciso melhorar a transparência (inclusive com testes de resistência mais rigorosos), recapitalizar, reestruturar e, caso necessário, fechar as instituições mais fracas.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet