Mundo ainda não saiu da crise econômica, diz chefe do FMI

Direito de imagem Getty
Image caption Para Strauss-Kahn, há desequilíbrios no ritmo de recuperação dos países

Apesar da recuperação nos últimos anos, o mundo ainda está sentindo os efeitos da crise econômica mundial, disse nesta quinta-feira o diretor-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Dominique Strauss-Kahn.

"Nós ainda estamos na crise, e as consequências da crise ainda são muito fortes", afirmou Strauss-Kahn em Washington, onde o FMI e o Banco Mundial realizam a partir de sexta-feira sua reunião de primavera.

"Certamente, a recuperação está ficando mais forte, mas todos podem ver que não é a recuperação que nós queremos", disse, ressaltando que ainda há desequilíbrios entre o ritmo de recuperação dos países. "Essa é certamente a razão da incerteza permanecer muito alta."

O desequilíbrio não é apenas entre nações, mas dentro dos próprios países, com desigualdade de renda, "que são muito altas, como os recentes eventos no Oriente Médio e no norte da África mostraram", disse Strauss-Kahn, citando as revoltas populares ocorridas naquelas regiões.

De acordo com o FMI, nas economias avançadas, o ritmo da recuperação permanece lento, o desemprego é alto, e há vulnerabilidades fiscais e financeiras.

Para os mercados emergentes, os principais desafios estão relacionados ao risco de superaquecimento. Nos países pobres, os preços dos alimentos e dos combustíveis voltam a causar preocupação, disse o diretor do FMI.

Desemprego

Segundo Strauss-Kahn, o desemprego também é um dos principais problemas enfrentados atualmente, e seu combate deve ser prioridade.

"Seria demais dizer que é uma recuperação sem empregos, mas é certamente uma recuperação sem empregos suficientes", disse. "A questão agora é: empregos, empregos, empregos."

O diretor citou o exemplo das revoltas populares surgidas recentemente em países árabes e muçulmanos do Oriente Médio e do norte da África, ao avaliar o impacto do desemprego.

"Os dados macroeconômicos (nesses países) não são ruins, mas as pessoas não sentem nenhuma mudança em sua situação", disse, ao referir-se especificamente às revoltas na Tunísia e no Egito.

Segundo Strauss-Kahn, o desemprego entre jovens é um dos principais desafios, e o que antes era uma fase transitória de desocupação até que essas pessoas chegassem ao mercado de trabalho, agora corre o risco de se tornar uma "sentença perpétua".

Os países não podem se apoiar na ideia de que o crescimento econômico é suficiente, disse Strauss-Kahn. "Nós precisamos de mais do que crescimento. Precisamos de políticas ativas."

"O desafio é preservar a coesão social sem colocar em risco a estabilidade macroeconômica, especialmente no Oriente Médio", afirmou.

Inflação

O diretor do FMI disse que os riscos de inflação surgidos em muitas economias emergentes são uma preocupação e precisam ser abordados de acordo com as características de cada país.

No Brasil, as pressões inflacionárias têm gerado preocupação, e as projeções apontam para índices perto de 6,5%, teto da meta estipuladas pelo governo (de 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para cima ou para baixo).

O diretor do FMI voltou a citar o controle de capitais, tema de um relatório divulgado na semana passada, no qual o órgão recomenda, pela primeira vez, o controle de capitais.

Muitos países, entre eles o Brasil, vêm enfrentando fluxos excessivos de capital estrangeiro, o que provoca uma valorização da moeda e, consequentemente, reduz a competitividade das exportações no mercado internacional.

Segundo Strauss-Kahn, em alguns países, as maneiras "tradicionais" de abordar o problema, como aumento da taxa de juros ou acúmulo de reservas, pode ter chegado a um limite, e o uso de controle de capitais pode ser uma opção.

"Pode ser útil, em uma base temporária, porque é compreensível que um país onde há um aumento no fluxo de capitais realmente prejudicial, é preciso fazer algo", disse.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet